Meteorologia

  • 31 JANEIRO 2023
Tempo
12º
MIN 4º MÁX 14º

Negociar com EUA não acabará com agitação, diz líder supremo do Irão

O líder supremo do Irão, ayatollah Ali Khamenei, afirmou hoje que negociar com os Estados Unidos não porá fim aos protestos que assolam o país há dois meses, uma vez que Washington "exigirá sempre cada vez mais".

Negociar com EUA não acabará com agitação, diz líder supremo do Irão
Notícias ao Minuto

12:24 - 26/11/22 por Lusa

Mundo Irão

As autoridades de Teerão têm denunciado que as manifestações desencadeadas em 16 de setembro pela morte de Mahsa Amini, detida pela polícia da moralidade por ter violado o rígido código de vestimenta do país, considerando tratarem-se de "motins" incentivados pelo Ocidente, em especial pelos Estados Unidos.

"O problema não passa por serem quatro manifestantes na rua, mesmo que cada manifestante, cada terrorista, deva ser punido. [...] O campo de batalha é muito maior. O principal inimigo é a arrogância global", disse Khamenei referindo-se aos Estados Unidos e respetivos aliados.

A mais alta figura do Estado iraniano falava hoje ao receber em Teerão, uma delegação de jovens paramilitares, por ocasião da semana dos Basidji, milícia de voluntários ligada à Guarda Revolucionária iraniana, o exército ideológico da República, e que tem atuado como tropa de choque contra os protestos desencadeados pela morte de Mahsa Amini em meados de setembro.

"Algumas pessoas dizem nos jornais ou na Internet que tudo o que se pode fazer para acabar com a agitação, que começou há algumas semanas, é resolver os problemas do Irão com os Estados Unidos e ouvir a voz da nação [iraniana]. Como vamos resolver o problema com a América? O problema será resolvido sentando-se, negociando e obtendo um compromisso da América?", questionou Khamenei.

"Não. A negociação não vai resolver nada. O nosso problema com a América só pode ser resolvido aceitando ser salvo por esse país [Estados Unidos]", afirmou.

Segundo Khamenei, os Estados Unidos exigem, para acabar com as hostilidades, que o Irão abandone o programa nuclear, mude a Constituição, confine a influência dentro das suas fronteiras e que encerre a indústria de defesa. 

"Nenhum iraniano pode aceitar tais condições", enfatizou, acusando também os que dizem que se deve ouvir a voz, não em relação aos protestos em curso mas os ligados às "grandes manifestações pró-governamentais" de 04 deste mês e à multidão que participou no funeral do general Qasem Soleimani, assassinado em janeiro de 2020. 

Qasem Soleimani foi um major-general iraniano da Guarda Revolucionária Islâmica e, de 1998 a 2020, comandante da Força Quds --- uma divisão responsável, sobretudo por ações militares extraterritoriais e operações clandestinas, que foi morto num ataque aéreo dos Estados Unidos a 03 de janeiro de 2020 no aeroporto internacional de Bagdade, no Iraque.

""Essa imensa multidão é que é a voz da Nação iraniana", insistiu.

Os protestos deste ano no Irão foram, inicialmente, desencadeados pela morte, em 16 de setembro, da jovem turca de 22 anos, Mahsa Amini, detida três dias antes pela polícia dos costumes iraniana por uso indevido do "hijab", o véu islâmico.

Aos poucos, os protestos contra o uso da força no Irão foram dando lugar a manifestações de apoio às mulheres, cada vez maiores e em mais cidades, e foram-se estendendo, às denúncias de atuação da Guarda da Revolução.

Desde o início dos protestos, pelo menos 426 pessoas foram mortas e mais de 17.400 foram detidas, de acordo com os Human Rights Activists in Iran (Ativistas dos Direitos Humanos no Irão), grupo que monitoriza o movimento de contestação em curso, segundo o qual pelo menos 55 membros das forças de segurança iranianas foram também mortos.

A contestação ao regime teocrático iraniano chegou também a uma das agências noticiosas estatais do Irão, a Fars, que foi sexta-feira alvo de um ataque por um grupo de piratas informáticos ('hackers') que deixou o portal indisponível durante "vários minutos".

A Fars é uma das principais agências de notícias do Estado que reporta os protestos em curso no Irão e que os qualifica sempre como "motins", tal como a versão oficial das manifestações.

Hoje a Fars indicou que o acesso ao portal "foi interrompido" após uma "complexa operação de 'hacking' e ataque cibernético realizada na noite de sexta-feira", de acordo com um comunicado publicado no canal que tem na rede social Telegram.

"Remover possíveis contaminações [...] pode ser um problema para alguns serviços do órgão por alguns dias. Os ciberataques contra a agência Fars ocorrem numa base quase diária a partir de diferentes países, incluindo os territórios ocupados [por Israel]", indicou a agência em avançar pormenores.

Em 21 de outubro, um grupo que se autodenomina 'Black Reward' alegou ter obtido documentos relacionados com o programa nuclear do Irão, exigindo às autoridades a libertação de todos os presos políticos detidos durante os protestos.

Após um ultimato de 24 horas foram divulgados documentos nas redes sociais, supostamente pelo grupo, e que está incluído um pequeno vídeo que mostra uma instalação nuclear iraniana, bem como mapas e folhas de pagamentos.

Quarta-feira passada, a Organização Iraniana de Energia Atómica (OIEA) admitiu que uma das suas subsidiárias tinha sido atacada, mas desdramatizou a importância dos documentos em questão.

Leia Também: Irão. Líder Supremo elogia milícia islâmica no combate aos protestos

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sétimo ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório