Meteorologia

  • 03 DEZEMBRO 2022
Tempo
MIN 8º MÁX 12º

"A lei internacional é inexorável. A Crimeia é território da Ucrânia"

Na ótica do responsável, "qualquer tentativa do ladrão russo de chamar 'alienação' ao regresso de um objeto ao dono ucraniano é legalmente nula".

"A lei internacional é inexorável. A Crimeia é território da Ucrânia"

O conselheiro presidencial ucraniano, Mykhailo Podolyak, ecoou as palavras do chefe de Estado da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, considerando, esta sexta-feira, que a "Crimeia é território da Ucrânia", argumentando que "a lei internacional é inexorável".

"A lei internacional é inexorável. A Crimeia é território da Ucrânia. Qualquer tentativa do ladrão russo de chamar 'alienação' ao regresso de um objeto ao dono ucraniano é legalmente nula. A Rússia vai perder ao se aperceber de que roubar territórios é uma ofensa criminal. Sem prescrição...", alertou, na rede social Twitter.

A mais recente menção da libertação da Crimeia, anexada por Moscovo em 2014, foi, também, proferida esta sexta-feira, pelo presidente ucraniano. Em entrevista ao Financial Times, Volodymyr Zelenksy reiterou que Kyiv pretende recuperar não só Donetsk e Lugansk, regiões que têm vindo a ser comandadas por separatistas russos, como também a Crimeia.

"Temos de reaver os nossos territórios... Acredito que o campo de batalha é o caminho quando não há diplomacia", considerou, salientando que compreende que "todos estejam confusos sobre o que vai acontecer à Crimeia”.

"Se alguém estiver disposto a oferecer-nos uma solução para reaver a Crimeia sem uso da força, sou a favor", salientou.

Contudo, o responsável foi taxativo: "Se a solução não incluir a Crimeia, não vale a pena desperdiçar tempo", disse, reforçando que a paz só chegará à Ucrânia se também a região da Crimeia regressar a mãos ucranianas.

De notar que a Rússia anunciou, a 18 de novembro, estar a construir fortificações na península da Crimeia, na sequência da ofensiva ucraniana na região Kherson. Dias mais tarde, a 22 de novembro, Moscovo disse estar em "alerta máximo", após um ataque levado a cabo pelas forças ucranianas em  Sebastopol, na Crimeia.

Lançada a 24 de fevereiro, a ofensiva militar russa na Ucrânia já causou a fuga de mais de 13 milhões de pessoas - mais de seis milhões de deslocados internos e mais de 7,8 milhões para países europeus -, segundo os mais recentes dados da Organização das Nações Unidas (ONU), que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A invasão, justificada pelo presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de "desnazificar" e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia, foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição a Moscovo de sanções políticas e económicas.

A ONU apresentou como confirmados desde o início da guerra 6.595 civis mortos e 10.189 feridos, sublinhando que estes números estão muito aquém dos reais.

Leia Também: Forças russas em "alerta máximo" após ataque de 'drones' na Crimeia

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório