Meteorologia

  • 29 NOVEMBRO 2022
Tempo
16º
MIN 8º MÁX 17º

Renzi desafia Calenda para bloco que pediria a Draghi para continuar

O antigo primeiro-ministro e líder do partido Italia Viva (IV), Matteo Renzi, desafiou hoje o líder do Azione, Carlo Calenda, para se unirem num "terceiro bloco" na política italiana, ao centro, para as eleições gerais de setembro.

Renzi desafia Calenda para bloco que pediria a Draghi para continuar
Notícias ao Minuto

14:10 - 09/08/22 por Lusa

Mundo Itália

"Estamos dispostos a juntar-nos porque seria a grande surpresa das eleições e só um forte terceiro bloco seria capaz de pedir a Draghi (primeiro-ministro cessante e ex-chefe do Banco Central Europeu) para permanecer no cargo de primeiro-ministro", disse Renzi no programa de TV Omnibus.

Calenda, antigo ministro da Indústria e do Desenvolvimento Económico, retirou-se no domingo de um pacto eleitoral com o Partido Democrático (PD), de centro-esquerda, depois deste se ter juntado a partidos pequenos mais à esquerda, incluindo a Esquerda Italiana (SI) e a Europa Verde (EV).

"Carlo Calenda e os seus apoiantes devem decidir se fazem um acordo connosco ou não, se devem ou não formar um bloco", insistiu Renzi, que em tempos liderou o PD.

Tanto Calenda como Renzi estão a fazer campanha para continuar a agenda reformista de Mário Draghi, cujo governo de unidade nacional caiu quando perdeu o apoio de três dos partidos que o apoiavam - o M5S, o Força Itália e a Liga -- num voto de confiança no Parlamento, que justificou o pedido de demissão do primeiro-ministro, aceite a 20 de julho, e a antecipação das eleições para 25 de setembro.

O líder do Itália Viva adiantou que não está preocupado com quem deveria liderar o potencial terceiro bloco, seja ele ou Calenda. "A liderança é o último dos meus problemas", disse.

Sem rejeitar a ideia, Calenda já tinha declarado que "o pacto com Matteo (Renzi) não é uma conclusão evidente", argumentando que o seu partido é o que está em melhor posição para retirar votos à forte aliança de direita e extrema-direita.

O Azione, de Calenda, reduziu no entanto para apenas cerca de três por cento as intenções de voto, agora se separou do antigo aliado Mais Europa (+E), que decidiu manter o acordo eleitoral com o PD, quase o mesmo que o Itália Viva, de Renzi.

Sem outros partidos, o potencial terceiro bloco teria assim cerca de 06%, muito atrás dos 23,4% do PD, que combinado com as intenções de voto nos pequenos partidos a ele ligados colocariam a atual aliança de centro-esquerda em pouco menos de 30% das intenções de voto.

Mesmo que este centro-esquerda se juntasse numa improvável aliança pós-eleitoral com o potencial terceiro bloco defendido por Renzi, os seus 36% combinados estariam muito longe dos votos na aliança de direita, de quase 45% segundo as mais recentes sondagens.

Esta aliança, liderada por Giorgia Meloni, do partido de extrema-direita Irmãos de Itália (FdI), é favorita a assumir o controlo da política italiana no dia 25 de setembro e potencialmente dar à Itália a sua primeira mulher como primeiro-ministra.

A coligação conta com a Liga, de extrema-direita, liderada pelo ex-ministro do Interior conhecido pelas posições anti-migrantes Matteo Salvini, que tem 12,5% das intenções de voto, em segundo lugar a seguir aos 23,8% da FdI, mais 8% do partido de centro-direita Forza Italia (FI), do ex-primeiro-ministro e magnata dos media Silvio Berlusconi.

Salvini repetiu hoje que Meloni será a líder do governo se o partido Irmãos de Itália conseguir mais um voto do que a Liga, mas Sílvio Berlusconi é ainda uma incógnita.

O antigo primeiro-ministro e líder do centro-direita Força Italia (FI) disse hoje que os apoiantes o tinham incitado a candidatar-se de novo a primeiro-ministro, mas que ainda não se tinha decidido.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório