Meteorologia

  • 17 AGOSTO 2022
Tempo
26º
MIN 17º MÁX 26º

Ucrânia. Moscovo diz ter matado "até 80" combatentes polacos

A Rússia disse hoje que matou "até 80" combatentes polacos, num bombardeamento no leste da Ucrânia, onde os combates decorrem entre forças de Kyiv e de Moscovo.

Ucrânia. Moscovo diz ter matado "até 80" combatentes polacos

"Até 80 mercenários polacos, 20 veículos blindados de combate e oito lança-'rockets' foram destruídos em ataques com armas de alta precisão na fábrica de zinco Megatex, na localidade de Konstantinovka", informou o Ministério da Defesa russo, em comunicado, citado pela AFP.

Esta localidade, que se escreve Kostiantynivka em ucraniano, está localizada na região de Donetsk, palco de intensos combates desde o lançamento da ofensiva russa na Ucrânia, no final de fevereiro.

O ministério russo não especificou se os bombardeamentos naquela ocorreram hoje ou na sexta-feira.

A nota diz que "mais de 300 soldados ucranianos e mercenários estrangeiros, bem como 35 armas pesadas foram destruídos no espaço de um dia em Mykolaiv", no sul da Ucrânia.

Nenhuma das alegações foi ainda verificável de forma independente.

A Rússia descreve pejorativamente como "mercenários" todos os voluntários estrangeiros que lutam do lado das forças ucranianas.

Em abril, o Ministério da Defesa russo disse que cerca de 30 "mercenários" polacos foram mortos na região de Kharkiv, no nordeste da Ucrânia.

As autoridades russas removeram a bandeira da Polónia de um memorial erguido em memória de milhares de polacos massacrados pelos soviéticos.

O desaparecimento da bandeira polaca que anteriormente flutuava sobre o memorial de Katyn, localizado na região de Smolensk (oeste da Rússia), foi relatado na sexta-feira, nas redes sociais, por historiadores e visitantes.

Na noite de sexta-feira, o presidente da Câmara de Smolensk, Andrei Borissov, confirmou a remoção da bandeira, publicando uma fotografia mostrando apenas a da Rússia, na entrada do memorial.

"Não pode haver uma bandeira polaca em monumentos russos, muito menos depois de declarações francamente antirrussas de políticos polacos", disse Borissov, na sua conta na VKontakte, a principal rede social russa.

A decisão das autoridades russas de retirar a bandeira polaca surge no auge das tensões entre Moscovo e Varsóvia desde o lançamento da ofensiva russa contra a Ucrânia, no final de fevereiro.

A Polónia, membro da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO), apoiou a Ucrânia fornecendo armas.

O memorial de Katyn foi erguido em memória de cerca de 25.000 polacos, a maioria oficiais considerados hostis à ideologia comunista, massacrados em 1940 pela polícia política soviética por ordem de Estaline, numa floresta perto de Smolensk.

A União Soviética negou até 1990 qualquer responsabilidade pelos massacres, acusando os nazis.

Em 2010, quando Moscovo e Varsóvia mostraram um desejo raro de "virar a página", o avião do Presidente polaco a caminho de Smolensk caiu, matando todas as 96 pessoas a bordo. A investigação deste acidente tornou-se uma nova fonte de tensão entre os dois países.

Leia Também: Mãe militar pela Ucrânia chega a casa e é recebida pela filha com emoção

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório