Meteorologia

  • 04 OUTUBRO 2022
Tempo
18º
MIN 16º MÁX 31º

Sistema de imigração dos EUA é cruel e visa desanimar intenção de migrar

Um documento divulgado na quarta-feira denunciou "a crueldade do sistema de imigração" dos EUA, o maior do mundo, manifestada no funcionamento dos centros de detenção do Serviço de Imigração e Controlo de Fronteiras (ICE, na sigla em Inglês).

Sistema de imigração dos EUA é cruel e visa desanimar intenção de migrar
Notícias ao Minuto

06:32 - 10/02/22 por Lusa

Mundo ONG

No documento "Cruel by Design: Voices of Resistance from Immigration Detention", realizado pelo Projeto de Defesa do Imigrante e pelo Centro de Direitos Constitucionais, afirma-se que as práticas de detenção durante a pandemia, iniciada em março de 2020, não só realçaram as condições "inaceitáveis" desses centros de detenção, como ajudaram a propagar o coronavirus nesses centros e fora deles, inclusive em alguns países.

Entre aquelas condições "horríveis" estão a separação de famílias, o abuso sexual de crianças, histerectomias desnecessárias, uso da força e gás pimenta, insultos racistas, uso arbitrário e punitivo da detenção em solitário, a detenção prolongada, transferências sem avisar advogados ou familiares e negligência médica, que causou mortes.

Também se prenderam pessoas em celas extremamente frias, onde tiveram de dormir no chão, sem qualquer proteção, e a quem se negaram cuidados médicos.

O documento, que se realizou com base em declarações de imigrantes, apresentadas em procedimentos judiciais para impugnar a sua detenção durante a crise da pandemia do novo coronavirus, e em entrevistas a ex-detidos, centra-se na "necessidade urgente" não só de libertar os presos como de acabar com "um sistema cruel".

No relatório, detalhou-se que desde 2003 morreram mais de 200 pessoas sob custódia do ICE.

Por junto, realçou-se no texto que o sistema de imigração está concebido para desanimar a vontade de lutar destas pessoas para que abandonem a ideia de quererem ir para os EUA.

A lista de detidos nestes centros inclui imigrantes em busca de asilo, sobreviventes de torturas e outros que já viviam há décadas nos EUA, mas sem a situação regularizada.

Mas também existem pessoas cujos filhos ou esposos são cidadãos dos EUA, residentes legais, imigrantes com doenças mentais, idosos e crianças.

Os autores da investigação defenderam que "o centro do problema é o constante endurecimento das políticas de imigração".

Leia Também: Pelosi quer proibir investimentos bolsistas a titulares de cargos

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório