Meteorologia

  • 25 MAIO 2022
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 26º

"Manipulação política" na crise migratória entre Bielorrússia e UE

O alto-comissário das Nações Unidas para Refugiados, Filippo Grandi, considerou hoje que a crise migratória na fronteira entre Bielorrússia e os países da União Europeia foi alvo de "manipulação política" e "reações exageradas", exemplos de falhas do sistema internacional.

"Manipulação política" na crise migratória entre Bielorrússia e UE
Notícias ao Minuto

16:48 - 07/12/21 por Lusa

Mundo ONU

Em declarações a partir de Genebra para o Conselho de Segurança da ONU, reunido em Nova Iorque, Filippo Grandi sublinhou que os deslocamentos forçados são uma das "muitas faces do falhanço do sistema internacional" e recebem uma "atenção intermitente (...), particularmente quando afetam países no norte global".

"Os deslocamentos forçados continuam a ser sujeitos a manipulações políticas e a gerar, muitas vezes, reações exageradas. Vimos uma mistura de todos estes elementos, muito recentemente, na crise que se desenrolou na fronteira da Bielorrússia com países da União Europeia", considerou o líder da agência da ONU para Refugiados, ACNUR.

Filippo Grandi considerou que o sistema multilateral tem de ser reforçado face a um "sistema internacional que nunca foi tão sujeito ao fracasso" como agora.

São muitas as faces deste falhanço internacional, visto em situações de "instabilidade e insegurança, fome, desastres ou colapso de estados", mas também, sublinhou o alto-comissário, em situações de "deslocamentos forçados".

As tensões entre a Bielorrússia e a União Europeia (UE) têm vindo a intensificar-se devido ao afluxo de migrantes, com os 27 países da União a acusarem o Governo do presidente Alexander Lukashenko de estar a levar a cabo um "ataque híbrido" contra o bloco europeu, usando migrantes como peões.

A UE diz que a Bielorrússia está a enganar os migrantes, de forma a levá-los a tentar entrar na Polónia, Lituânia e Letónia, países membros da União Europeia. Já as autoridades bielorrussas negam estas acusações e acusam a UE de não oferecer passagem segura aos migrantes.

Bruxelas acusa Minsk de ter orquestrado o afluxo, para as fronteiras da Polónia, Lituânia e Letónia, de milhares de migrantes, como retaliação por sanções previamente impostas pelos países ocidentais para punir a repressão brutal de um movimento de protesto contra o regime de Lukashenko, em 2020.

A crise intensificou-se no mês passado, com o aumento dos fluxos de migrantes, principalmente provenientes de países do Médio Oriente, como o Iraque.

Leia Também: Rússia "condena veementemente" novas sanções contra a Bielorrússia

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório