Meteorologia

  • 28 OUTUBRO 2021
Tempo
13º
MIN 13º MÁX 23º

Edição

Pelo menos 100 mil deslocados no Burundi devido às alterações climáticas

Os fenómenos associados às alterações climáticas, especialmente as inundações causadas pelo aumento do nível das águas do lago Tanganica, deslocaram cerca de 100.000 pessoas no Burundi nos últimos anos, denunciou hoje a organização Save the Children.

Pelo menos 100 mil deslocados no Burundi devido às alterações climáticas
Notícias ao Minuto

13:08 - 20/09/21 por Lusa

Mundo OIM

De acordo com os últimos dados da Organização Internacional para as Migrações (OIM) divulgados em agosto, pelo menos 115.981 pessoas estão deslocadas internamente neste país da África Oriental, 83% das quais devido a catástrofes naturais.

A Save the Children alertou hoje numa declaração que "o deslocamento devido a choques climáticos está agora a substituir o deslocamento devido a conflitos".

Com a subida do nível das águas, o lago Tanganica, o segundo lago mais profundo do mundo e dividido entre quatro países - Tanzânia, Zâmbia, República Democrática do Congo (RDCongo) e Burundi - submergiu casas e quintas, forçando as pessoas a mudarem-se e destruindo os seus principais meios de subsistência.

A organização adverte que as crianças são particularmente afetadas por esta crise, pois de acordo com os últimos dados da OIM, as crianças com menos de 01 ano representam 7% de todas as pessoas deslocadas, enquanto este número sobe para 18% para crianças entre 1 e 5 anos de idade.

Segundo a Save the Children, no campo de deslocados internos de Gatumba (no noroeste do país e norte do lago), que acolhe cerca de 3.000 pessoas, mais de 80% são crianças, a maioria das quais não pode frequentar a escola e só tem acesso a uma refeição por dia.

"Com o nível crescente do lago Tanganica, vemos famílias que anteriormente tinham lares sólidos, todas as crianças na escola e dois pais com emprego obrigados a viver em tendas, sem emprego, sem comida e crianças a ter de trabalhar por um dólar por dia para sustentar as suas famílias", disse Maggie Korde, diretora nacional da organização para o Burundi e o Ruanda.

Citado pela OIM em julho, o diretor ambiental das autoridades burundianas para a região do lago, Gabriel Hazikimana, advertiu que se a situação continuar em 2022, "a destruição será enorme, o que exigirá um inventário dos custos económicos e humanos a fim de conceber um plano de recuperação".

De acordo com dados do Instituto Geográfico do Burundi, a subida do lago é um fenómeno cíclico que ocorre a cada 50 a 60 anos, enquanto as recentes inundações são amplamente atribuídas às alterações climáticas.

Hazikimana explicou que, em anos anteriores, "quando o lago subia, a chuva pararia e daria tempo para que voltasse a descer", mas estudos recentes sugerem que "a temperatura na região é provável que continue a subir, e isto poderia significar mais precipitação".

Além disso, mesmo que a água transbordante regresse aos seus limites originais, corre o risco de se tornar poluída ao arrastar os resíduos, por exemplo, das latrinas, o que poderia ter consequências negativas para a saúde das crianças que têm de atravessar as águas das cheias para ir à escola, acrescentou.

Leia Também: Situação dos direitos humanos no Burundi "desastrosa", diz ONU

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório