Meteorologia

  • 05 MARçO 2021
Tempo
12º
MIN 10º MÁX 16º

Edição

Myanmar: Chefe militar diz que golpe de segunda-feira era "inevitável"

O chefe das Forças Armadas do Myanmar (antiga Birmânia), Min Aung Hlaing, que passou a concentrar o essencial dos poderes, considerou hoje que o golpe de Estado militar de segunda-feira era "inevitável".

Myanmar: Chefe militar diz que golpe de segunda-feira era "inevitável"
Notícias ao Minuto

17:43 - 02/02/21 por Lusa

Mundo Myanmar

"Este desfecho era inevitável para o país e foi por isso que o escolhemos", declarou o general Min Aung Hlaing segundo a página oficial das Forças Armadas na rede social Facebook, um dia após o golpe de estado condenado pelos principais atores internacionais.

As declarações do responsável militar coincidiram com um endurecimento da posição dos Estados Unidos, que hoje acusou os militares birmaneses de terem perpetrado um "golpe de estado", implicando uma redução da ajuda norte-americana, apesar de o chefe militar continuar aparentemente a ignorar as condenações internacionais e os apelos à libertação da líder do Governo civil, Aung San Suu Kyi.

"Após uma análise cuidadosa dos factos e circunstâncias, chegamos à conclusão de que Aung San Suu Kyi, a líder do partido governante em Myanmar, e Win Myint, o Presidente do Governo eleito, foram depostos num golpe" na segunda-feira, disse um oficial do Departamento de Estado norte-americano.

Os Estados Unidos anunciaram também que irão limitar a ajuda pública ao Governo de Myanmar, que fica "automaticamente interrompida".

O exército prendeu na segunda-feira a chefe do Governo civil de Myanmar, Aung San Suu Kyi, o Presidente Win Myint e vários ministros e dirigentes do partido governamental, proclamando o estado de emergência e colocando no poder um grupo de generais.

Os militares acusaram a comissão eleitoral de não ter sanado as "enormes irregularidades", que segundo eles ocorreram durante as eleições legislativas de novembro, vencidas por esmagadora maioria pelo partido de Aung San Suu Kyi, a Liga Nacional para a Democracia (LND, na sigla em inglês), no poder desde 2015.

Para além da interrupção da ajuda financeira a Myanmar, o Governo norte-americano fará também cortes na colaboração em diversos programas de ajuda internacional.

Leia Também: Myanmar. EUA determinam que é golpe de Estado e avançarão com sanções

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório