Meteorologia

  • 27 FEVEREIRO 2021
Tempo
12º
MIN 11º MÁX 20º

Edição

Médico que defendia cloroquina admite que não reduz mortalidade da Covid

Tratamento elaborado por Didier Raoult propunha a utilização de hidroxicloroquina, medicamento usado no tratamento da malária e da artrite reumatoide, por exemplo, quando surgissem os primeiros sintomas de coronavírus. Tratamento foi adotado no Brasil e nos Estados Unidos, ainda que contra indicações da OMS.

Médico que defendia cloroquina admite que não reduz mortalidade da Covid

Didier Raoult, o médico francês que publicou estudos controversos que, na sua perspetiva, demonstravam a eficácia da hidroxicloroquina contra o novo coronavírus, admitiu, pela primeira vez, que o tratamento não reduz a mortalidade da Covid-19, seis meses depois da Organização Mundial de Saúde (OMS) ter chegado à mesma conclusão.

Num relatório publicado a 4 de janeiro no Centro Nacional de Informações sobre Biotecnologia da França, a equipa de Didier Raoult, aquele que era o maior promotor do uso da hidroxicloroquina, admitiu que o fármaco não reduz a mortalidade da Covid-19.

Recorde-se que a OMS anunciou a suspensão do uso de hidroxicloroquina e de lopinavir/ritonavir no tratamento de pacientes hospitalizados com Covid-19 em julho do ano passado, por falta de evidências da redução da mortalidade de pacientes infetados.

Em abril do ano passado, três eminentes médicos franceses recomendaram a aplicação do tratamento elaborado por Didier Raoult, num artigo publicado na página digital do diário Le Figaro, propondo a utilização de hidroxicloroquina quando surgissem os primeiros sintomas de coronavírus.

O medicamento acabou por ser descrito como "uma dádiva do céu" pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump (que inclusive a tomou quando esteve infetado), um sentimento ecoado pelo presidente do Brasil, Jair Bolsonaro.

A US Food and Drug Administration (FDA, nome em inglês) dizia ser "improvável" que a hidroxicloroquina e a cloroquina fosse eficaz no tratamento do novo coronavírus. Citando relatos de complicações cardíacas, a FDA considera que os dois medicamentos constituem um risco maior para os pacientes infetados com Covid-19 do que quaisquer potenciais benefícios.

A hidroxicloroquina e a cloroquina, medicamentos para o tratamento da malária e também prescrita para o lúpus e para a artrite reumatoide, pode provocar problemas no ritmo cardíaco, ao baixar significativamente a pressão sanguínea, bem como danos musculares ou nervosos.

Leia Também: Bruxelas assegura 60 milhões de doses para UE de oitava potencial vacina

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório