Meteorologia

  • 21 OUTUBRO 2020
Tempo
19º
MIN 13º MÁX 19º

Edição

Charles Michel quer mais estabilidade e previsibilidade no Mediterrâneo

O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, vincou hoje que a União Europeia (UE) quer "mais estabilidade e previsibilidade" no Mediterrâneo perante as investidas da Turquia na Grécia e Chipre, apontando haver "várias opções em cima da mesa".

Charles Michel quer mais estabilidade e previsibilidade no Mediterrâneo
Notícias ao Minuto

14:57 - 01/10/20 por Lusa

Mundo UE/Cimeira

"Hoje vamos concentrar-nos em questões internacionais, particularmente no Mediterrâneo Oriental e na nossa relação com a Turquia. Queremos mais estabilidade e mais previsibilidade", afirmou Charles Michel, falando à chegada à cimeira extraordinária que decorre até sexta-feira em Bruxelas.

Frisando que a UE está "totalmente solidária com a Grécia e Chipre na proteção e defesa dos seus direitos soberanos", Charles Michel indicou existirem "várias opções em cima da mesa" relativamente à Turquia.

"Estamos disponíveis para discutir o assunto de forma positiva e teremos oportunidade de decidir qual será a orientação que permitirá à UE conseguir atingir os nossos objetivos", concluiu.

Os chefes de Governo e de Estado da UE reúnem-se entre hoje e sexta-feira em Bruxelas para tentar chegar a acordo sobre a aplicação de sanções aos repressores na Bielorrússia, num processo bloqueado por Chipre.

Após a 'luz verde' dada pelo Conselho da UE em agosto passado, a lista de medidas restritivas relativamente à Bielorrússia tem de ser formalmente aprovada por unanimidade para ficar em vigor, processo que o Chipre está a bloquear por exigir medidas semelhantes contra a Turquia, dada a crise do Mediterrâneo oriental.

Numa altura de tensão em Minsk, caberá aos líderes europeus acordar sobre estas sanções à Bielorrússia, num processo negocial que várias fontes europeias anteveem como longo.

As mesmas fontes frisam que caberá ao presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, salientar o apoio incondicional da UE a Chipre e à Grécia relativamente às investidas da Turquia, esperando-se que, através da via diplomática e da promessa de um reforço de sanções a Ancara, Nicósia ceda e aprove as medidas restritivas para a Bielorrússia.

As presidenciais de 9 de agosto na Bielorrússia deram a vitória a Alexander Lukashenko, no poder há 26 anos, o que é contestado pela oposição e não é reconhecido pela UE.

Nesta cimeira europeia, que foi adiada por uma semana devido ao isolamento de Charles Michel por ter tido contacto com um funcionário infetado com covid-19, grande parte dos assuntos estarão, então, relacionados com a crise do Mediterrâneo oriental.

As tensões entre Ancara e Atenas e Nicósia têm vindo a subir de tom devido às perfurações ilegais turcas nas zonas económicas especiais da Grécia e do Chipre, reclamadas pela Turquia.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório