Meteorologia

  • 20 OUTUBRO 2020
Tempo
18º
MIN 16º MÁX 20º

Edição

Maior buraco de ozono no Hemisfério Norte fechou-se

O buraco havia sido formado no início da primavera devido às baixas temperaturas registadas na zona.

Maior buraco de ozono no Hemisfério Norte fechou-se

O maior buraco na camada de ozono no Hemisfério Norte, que havia sido formado no início da primavera devido às baixas temperaturas registadas no Pólo Norte, fechou-se no passado dia 23 de abril.

A informação de que este buraco se tinha fechado, que era já considerado o maior alguma vez registado no Hemisfério Norte, foi transmitida pelo Copernicus, um programa do centro europeu para previsões meteorológicas de médio-alcance, financiado pela Comissão Europeia. 

Segundo o comunicado deste organismo, o buraco tinha-se formado no final do mês de março na sequência de um vórtice polar, ciclone forte e de grandes dimensões, que afetou o Pólo Norte durante várias semanas consecutivas e que acabou por conseguir furar a camada de ozono.

Este tratou-se de um buraco pouco comum, mas ao contrário do que é habitual, e tal como explicou o Copernicus, o seu aparecimento não terá tido contribuição do ser humano.

"O Covid-19 e os consequentes confinamentos provavelmente não tiveram nada a ver com isto. O buraco teve origem num vórtice polar anormalmente forte e duradouro e não em alterações climáticas", salientou o programa Copernicus.

A última vez que um buraco de grandes dimensões foi observado no Polo Norte tinha sido em 2011.

"É a primeira vez que se pode falar sobre verdadeiros buracos no ozono no Ártico", afirmaram os cientistas que observaram este fenómeno.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório