Meteorologia

  • 25 FEVEREIRO 2020
Tempo
12º
MIN 10º MÁX 17º

Edição

Covid-19: Procura de petróleo foi "duramente atingida"

A Agência Internacional da Energia (AIE) assegurou hoje que a procura global de petróleo foi "duramente atingida" pela propagação do coronavírus e adiantou que a mesma se contrairá pela primeira vez em mais de uma década no primeiro trimestre.

Covid-19: Procura de petróleo foi "duramente atingida"
Notícias ao Minuto

12:50 - 13/02/20 por Lusa

Economia Petróleo

No relatório mensal, a AIE calcula que a procura de petróleo vai cair no primeiro trimestre em 435.000 barris por dia face ao mesmo período do ano passado e estimou que o crescimento em 2020 será de apenas 825.000 barris por dia (menos 365.000 que o previsto), o menor aumento desde 2011.

O organismo dependente da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) reconhece que ainda é difícil precisar qual será o impacto do covid-19 sobre o mercado do petróleo, ainda que as estimativas pressuponham um progressivo regresso à normalidade no segundo trimestre.

Desde o início da epidemia registou-se "uma significativa desaceleração do consumo de petróleo e da economia chinesa", segundo a AIE, levando a organização a prever que as repercussões do coronavírus sobre a procura serão "significativas".

"As consequências vão variar segundo o passar do tempo, com um impacto inicial nos transportes e nos serviços, provavelmente seguido pela indústria chinesa e finalmente pelas exportações e a economia no seu conjunto", defende a AIE.

Depois da contração da procura prevista para o primeiro trimestre, a primeira desde a segunda metade de 2009, em plena crise financeira global, espera-se uma normalização no terceiro trimestre do ano, "provavelmente beneficiada pelas medidas de estímulo económico da China".

A AIE parte de um cenário baseado no surto do SARS em 2003, em que a epidemia possa ser controlada antes do verão no hemisfério norte, se bem que alerte que "há poucas dúvidas de que o vírus terá um impacto maior sobre a economia e o petróleo que o SARS", devido ao maior impacto global de uma desaceleração na China.

A AIE também sublinha as consequências do covid-19 sobre o transporte aéreo, especialmente na China, cujo tráfego de voos internacionais recuou 70% e de voos nacionais 50% nas primeiras fases da emergência sanitária, com os consequentes efeitos no consumo de petróleo.

As previsões negativas da AIE juntam-se ao relatório da OPEP divulgado na quarta-feira que prevê que o consumo de petróleo em 2020 seja 19% inferior ao calculado até agora.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório