Meteorologia

  • 26 JANEIRO 2020
Tempo
12º
MIN 8º MÁX 16º

Edição

Guterres pede "apoio firme" à conferência internacional em Berlim

O secretário-geral da ONU pediu hoje "apoio firme" à conferência de paz para a Líbia que vai realizar-se no domingo em Berlim, enquanto o chefe da diplomacia alemã viaja até Benghazi para se encontrar com o marechal Khalifa Haftar.

Guterres pede "apoio firme" à conferência internacional em Berlim
Notícias ao Minuto

12:58 - 16/01/20 por Lusa

Mundo Líbia

António Guterres também convidou as partes em confronto a confirmar a cessação das hostilidades, num relatório entregue ao Conselho de Segurança.

"Peço a todas as partes em confronto que consolidem rapidamente a cessação incondicional das hostilidades desenvolvidas sob os auspícios dos Presidentes da Rússia e da Turquia e que se comprometam construtivamente para esse fim, inclusive no processo de Berlim", escreveu Guterres nesse documento obtido pela agência de notícias France-Presse.

Em preparação para a conferência agendada para domingo em Berlim, o ministro dos Negócios Estrangeiros da Alemanha, Heiko Maas, anunciou hoje uma visita surpresa a Benghazi (leste da Líbia), afirmando antes da sua partida que uma "janela" foi aberta para pôr fim à interferência estrangeira no conflito.

"Espero que todas as partes aproveitem esta ocasião para colocar o futuro da Líbia nas mãos dos líbios", acrescentou Maas, que deve encontrar-se com o marechal Haftar, o homem forte do leste da Líbia, depois de se ter reunido na semana passada o chefe do Governo de Acordo Nacional (GAN), Fayez al-Sarraj, reconhecido pela ONU.

"Para isso, é necessária a disposição (de todos) de um verdadeiro cessar-fogo e a participação das duas partes em conflito no formato de diálogo proposto pelas Nações Unidas", salientou o chefe da diplomacia alemã, acrescentando que é "no interesse da população líbia".

A atividade diplomática sobre o processo da Líbia intensificou-se recentemente.

Hoje, o presidente do Conselho italiano, Giuseppe Conte, é esperado em Argel, capital da Argélia, para discutir com as autoridades deste país vizinho da Líbia "os esforços da comunidade internacional para conter o conflito (...) e trazê-lo a uma solução duradoura".

Esta conferência em Berlim acontece depois de negociações em Moscovo, sob a égide da Rússia e da Turquia, que culminaram num projeto de declaração de um cessar-fogo que deveria ter entrado em vigor no domingo passado.

A trégua deveria ter sido formalizada num acordo assinado em Moscovo pelas várias fações líbias, mas o marechal Khalifa Haftar, o homem forte do leste da Líbia, deixou a capital russa sem assinar o protocolo. A diplomacia russa referiu que o homem forte do leste da Líbia, que tenta derrubar o governo instalado em Tripoli, necessitava de uns dias para analisar a proposta de acordo.

País imerso num caos político e securitário desde a queda do regime de Muammar Kadhafi em 2011, a Líbia vive um cenário ainda mais crítico desde o início da ofensiva militar das forças do marechal Khalifa Haftar, que avançou em abril de 2019 contra Tripoli, a sede do Governo de Acordo Nacional líbio estabelecido em 2015 e reconhecido pela ONU.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório