Meteorologia

  • 13 JUNHO 2024
Tempo
24º
MIN 14º MÁX 25º

Alterações propostas por Boris Johnson para o Brexit são "inaceitáveis"

Críticas são de Michel Barnier, o negociador-chefe da União Europeia para o Brexit.

Alterações propostas por Boris Johnson para o Brexit são "inaceitáveis"
Notícias ao Minuto

16:52 - 25/07/19 por Lusa

Mundo Michel Barnier

O negociador-chefe da União Europeia para o 'Brexit', Michel Barnier, classificou hoje como "inaceitáveis" os pedidos de modificação ao Acordo de Saída defendidos pelo novo primeiro-ministro britânico, Boris Johnson.

"[Boris Johnson] declarou que, para que um acordo fosse concluído, seria necessário eliminar o mecanismo de salvaguarda da fronteira irlandesa, o que é evidentemente inaceitável e não se enquadra no mandato do Conselho Europeu", observou Barnier, num correio eletrónico enviado aos representantes dos 27 e a que a agência France-Presse teve acesso.

Na quarta-feira, o novo primeiro-ministro britânico insistiu na renegociação do Acordo de Saída e classificou de "antidemocrática" a solução de salvaguarda para evitar o regresso de uma fronteira física na ilha da Irlanda, que prevê a criação de "um espaço aduaneiro único" entre a UE e o Reino Unido e que só seria ativada caso a parceria futura entre Bruxelas e Londres não ficasse fechada antes do final do período de transição.

Perante as recentes declarações de Boris Johnson, que ainda hoje à tarde voltou a insistir que os termos do Acordo de Saída, acordados entre Bruxelas e o governo de Theresa May em novembro passado, são "inaceitáveis", o principal negociador da UE para o 'Brexit' alertou os 27 para o pior cenário possível.

"Como sugere o seu discurso mais belicista, devemos preparar-nos para uma situação em que ele dê prioridade ao 'no deal', em parte como forma de pressão à união entre os 27", argumentou.

Barnier disse que os Estados-membros que a sua equipa negociadora está preparada para analisar as "questões" levantadas pelo novo Governo britânico que sejam compatíveis com o Acordo de Saída, firmado entre Bruxelas e Londres e endossado pelos chefes de Estado e de Governo dos 27 em novembro passado, e para trabalhar na Declaração Política para a relação futura, "segundo as diretrizes do Conselho Europeu".

"Uma ausência de acordo nunca seria a escolha da UE, mas devemos preparar-nos para todos os cenários", insistiu, sublinhando as reações "numerosas e vivas" provocadas pelo discurso de hoje de Johnson na Câmara dos Comuns e aconselhando os restantes Estados-membros a acompanhar "atentamente" as reações e evoluções políticas e económicas relativamente ao mesmo.

O líder do partido Conservador, Boris Johnson, foi indigitado na quarta-feira primeiro-ministro britânico pela rainha Isabel II, na sequência da demissão formal de Theresa May devido à dificuldade em concluir o 'Brexit'.

Recomendados para si

;
Campo obrigatório