Meteorologia

  • 18 OUTUBRO 2019
Tempo
17º
MIN 15º MÁX 21º

Edição

Guaidó agradece a Portugal e reitera "solução pacífica" para a crise

O presidente do Parlamento da Venezuela, Juan Guaidó, que se autoproclamou Presidente interino venezuelano e hoje recebeu o reconhecimento concertado de vários países europeus, agradeceu a Portugal por ter reconhecido a sua legitimidade para convocar eleições naquele país.

Guaidó agradece a Portugal e reitera "solução pacífica" para a crise

"Obrigado ao Governo de Portugal pelo seu apoio a esta solução pacífica para a crise na Venezuela. A nossa luta é pelo resgate da democracia, pela ajuda humanitária imediata e pela reconstrução do país", escreveu hoje Juan Guaidó, numa mensagem publicada na rede social Twitter.

O Governo português reconheceu hoje Juan Guaidó como Presidente interino venezuelano, apoiando a sua legitimidade para "convocar eleições livres e justas na Venezuela".

"Portugal reconhecerá e apoiará a legitimidade do presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, Juan Guaidó, como Presidente interino, nos termos constitucionais venezuelanos, com o encargo de convocar e organizar eleições livres, justas e de acordo com os padrões internacionais", disse o ministro dos Negócios Estrangeiros português, Augusto Santos Silva, numa conferência de imprensa em Lisboa.

Portugal juntou-se a outros países da União Europeia (UE), como Espanha, França, Alemanha, Reino Unido, Áustria ou Holanda, que hoje reconheceram o presidente da Assembleia Nacional (parlamento venezuelano), Juan Guaidó, como presidente interino da Venezuela, após expirar um prazo de oito dias para que o Presidente Nicolás Maduro convocasse eleições presidenciais antecipadas naquele país.

Maduro rejeitou no domingo a possibilidade de abandonar o poder ou de convocar novas eleições presidenciais no país, porque não aceita "ultimatos de ninguém".

A par das palavras dirigidas a Portugal, Juan Guaidó publicou nas últimas horas na rede social Twitter várias mensagens a agradecer aos vários países europeus que hoje formalizaram, de forma concertada, a sua posição.

A primeira mensagem a ser publicada foi dirigida a Espanha e ao chefe do governo espanhol, Pedro Sánchez.

"Agradecemos a Pedro Sánchez e a todo o governo espanhol pelo reconhecimento e apoio ao nosso caminho de luta pela democracia. Obrigado pelo seu apoio e compromisso. A Venezuela está grata por esse gesto", escreveu Guaidó.

Seguiu-se uma mensagem endereçada ao Reino Unido, com Juan Guaidó a expressar o seu agradecimento ao executivo britânico por ter reconhecido "a luta do povo da Venezuela".

"Valorizamos profundamente o seu apoio e estamos confiantes de que juntos poderemos sair desta crise política, social, económica e humanitária", acrescentou.

Juan Guaidó escreveu também palavras dirigidas ao Presidente francês, Emmanuel Macron, e ao governo de França.

"Juntos, vamos conseguir: fim da usurpação, governo de transição e eleições livres para o resgate da nossa nação", referiu o presidente da Assembleia Nacional.

Áustria, Dinamarca e Polónia também receberam palavras de agradecimento por parte de Guaidó.

"Agradecemos ao governo da Áustria pelo reconhecimento da legitimidade das ações que iniciamos juntamente com todo o povo da Venezuela para a conquista das nossas liberdades e direitos", afirmou o engenheiro mecânico de 35 anos que a 23 de janeiro se autoproclamou Presidente interino venezuelano.

Na mensagem endereçada a Copenhaga e a Varsóvia, Guaidó referiu o objetivo da realização de "eleições livres, justas e transparentes na Venezuela" e o compromisso de "resgatar a democracia, a liberdade e a justiça" da nação venezuelana.

Juan Guaidó remeteu também mensagens à Alemanha, Lituânia, Holanda, Letónia, República Checa, Bélgica, Finlândia e Luxemburgo, reiterando as metas e os compromissos a que se propõe: "(...) resgatar a democracia e o Estado de direito na Venezuela", "(...) um caminho que permita uma solução democrática e pacífica para a crise (...)", "(...) alcançar a liberdade (...) e reivindicar os direitos de todos os venezuelanos" e "um processo de paz, inclusão, consenso e respeito pela Constituição".

Na quinta-feira, a Alta Representante da UE para a Política Externa, Federica Mogherini, anunciou a constituição de um grupo de contacto internacional para alcançar, em 90 dias, uma saída pacífica e democrática para a crise na Venezuela com a realização de eleições presidenciais.

A primeira reunião deste grupo realiza-se em 07 de fevereiro em Montevideu (Uruguai).

A atual crise política que afeta a Venezuela soma-se a uma grave crise económica e social que já levou 2,3 milhões de pessoas a fugirem daquele país desde 2015, segundo dados da ONU.

Na Venezuela, antiga colónia espanhola, residem cerca de 300.000 portugueses ou lusodescendentes.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório