Meteorologia

  • 15 DEZEMBRO 2018
Tempo
13º
MIN 12º MÁX 14º

Edição

Ancara classifica como "inaceitáveis" as declarações do MNE francês

A Turquia considerou hoje "inaceitáveis" as declarações do chefe da diplomacia francesa, que acusou o Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, de promover um "jogo político" relacionado com a morte do jornalista saudita Jamal Khashoggi.

Ancara classifica como "inaceitáveis" as declarações do MNE francês
Notícias ao Minuto

14:25 - 12/11/18 por Lusa

Mundo Khashoggi

"Consideramos inaceitáveis que ele acuse o Presidente Erdogan de 'promover um jogo político'", declarou à agência noticiosa AFP o diretor de comunicação da presidência turca, Fahrettin Altun, numa referência às declarações emitidas previamente por Jean-Yves Le Drian.

O chefe da diplomacia francesa declarou hoje à cadeia televisiva francesa France 2 "não ter conhecimento" das informações turcas sobre o assassinato em Istambul, em 02 de outubro, de Jamal Khashoggi, contradizendo as afirmações de Erdogan.

O líder turco afirmou no sábado que o seu país partilhou com Washington, Berlim, Paris e Londres os registos áudio relacionados com a morte do jornalista.

"Se o Presidente turco tem informação para nos dar, é necessário que as forneça" declarou hoje Le Drian.

Interrogado sobre a eventualidade de uma mentira de Erdogan sobre esta questão, o ministro francês apenas observou que o chefe de Estado turco mantém "um jogo político particular nesta circunstância".

"As últimas observações do ministro francês dos Negócios Estrangeiros Jean-Yves Le Drian sobre a forma como a Turquia está a gerir a morte de Jamal Khashoggi não refletem a realidade", declarou Altun.

"Confirmo que as provas relacionadas com a morte de Khashoggi foram igualmente partilhadas com as respetivas instituições do Governo francês. Em 24 de outubro, um representante dos serviços de informações franceses escutou o registo áudio" e teve acesso a "informações detalhadas", afirmou Altun.

"Caso exista um problema de comunicação entre as diversas instituições no interior do Governo francês, cabe às autoridades francesas e não à Turquia e a resolução do problema", acrescentou.

O Ministério Público turco declarou recentemente que Khashoggi, 59 anos, foi estrangulado e posteriormente desmembrado no consulado saudita em Istambul, no dia 02 de outubro, onde tinha entrado para obter um documento para se casar com uma cidadã turca.

Segundo as autoridades turcas, o jornalista era esperado no consulado por um comando de 15 agentes sauditas que viajaram para a cidade turca algumas horas antes e regressaram à Arábia Saudita naquela mesma noite.

O Presidente turco assegurou recentemente numa coluna publicada no diário norte-americano The Washington Post que está certo de que a ordem para matar o jornalista dissidente surgiu "do mais alto nível" do poder da Arábia Saudita.

O jornalista saudita, que colaborava com The Washington Post, estava exilado nos Estados Unidos desde 2017 e era um reconhecido crítico do poder em Riade, em particular do príncipe herdeiro Mohammed ben Salmane.

Um mês após a sua morte, o seu corpo ainda não foi encontrado. Segundo os media turcos, as autoridades locais consideram que foi desmembrado após o assassínio, e com os seus restos dissolvidos em ácido.

A Arábia Saudita admitiu que Jamal Khashoggi foi morto nas instalações do consulado saudita em Istambul no decurso de uma operação "não autorizada" por Riade e após ter garantido, durante vários dias, que saíra vivo do consulado.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório