Meteorologia

  • 19 NOVEMBRO 2018
Tempo
MIN 8º MÁX 8º

Edição

Khashoggi: Organizações-chave exortam Turquia a pedir investigação à ONU

As principais organizações de direitos humanos e de imprensa exortaram na quinta-feira a Turquia a pedir à ONU uma investigação sobre o desaparecimento e a "possível execução extrajudicial" do jornalista saudita Jamal Khashoggi.

Khashoggi: Organizações-chave exortam Turquia a pedir investigação à ONU
Notícias ao Minuto

06:10 - 19/10/18 por Lusa

Mundo Morte

Em conferência de imprensa, na sede da ONU, o Comité para a Proteção dos Jornalistas (CPJ), a Amnistia Internacional, a Human Rights Watch e os Repórteres Sem Fronteiras encorajaram a Turquia a pedir ao secretário-geral da ONU, António Guterres, "uma investigação transparente".

"O envolvimento da ONU é a melhor garantia contra uma lavagem saudita ou contra a tentativa de outros governos de varrerem a questão para preservarem laços comerciais lucrativos com Riade", sublinhou Robert Mahoney, vice-diretor executivo do CPJ.

O porta-voz da ONU, Stephane Dujarric, afirmou que Guterres "continua muito preocupado com o destino de Khashoggi", mas que, "por uma questão de princípio, o secretário-geral [só] vai ordenar uma investigação se todos os membros o pedirem".

Para as quatro organizações, uma investigação internacional é determinante para investigar o papel da Arábia Saudita e procurar identificar todos os responsáveis pelo desaparecimento de Khashoggi.

O jornalista saudita Jamal Khashoggi, que estava exilado nos Estados Unidos desde 2017 e era um reconhecido crítico do poder em Riade, desapareceu no passado dia 02 de outubro depois de ter entrado no consulado saudita em Istambul, Turquia, para tratar de questões administrativas.

O jornalista não foi visto desde então.

Na quarta-feira, um jornal turco pró-governamental revelou ter gravações de áudio realizadas no interior do consulado, avançando que Jamal Khashoggi, colaborador do jornal norte-americano The Washington Post, tinha sido torturado e desmembrado por agentes sauditas.

A Arábia Saudita nega qualquer envolvimento no desaparecimento do jornalista, adiantando que ele deixou a missão diplomática pelo próprio pé. No entanto, Riade não apresentou qualquer prova que sustente tal teoria.

Nos últimos dias, vários ministros e personalidades do circuito económico-financeiro internacional cancelaram a participação num fórum económico agendado para Riade para a próxima semana, expressando a sua preocupação sobre os contornos do desaparecimento do jornalista.

A conferência em questão é organizada pelo fundo soberano saudita e pretende ser uma montra das reformas económicas impulsionadas pelo jovem príncipe herdeiro Mohammed ben Salmane, o atual homem forte de Riade.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório