Meteorologia

  • 17 DEZEMBRO 2017
Tempo
MIN 8º MÁX 9º

Edição

Petróleo no Alentejo? Quercus diz "não"

Associação ambiental garante que concessões negociadas entre Governo, Galp, Eni e Portfuel podem ter efeitos devastadores no meio ambiente e atividade turística da região.

Petróleo no Alentejo? Quercus diz "não"
Notícias ao Minuto

09:58 - 31/03/16 por Bruno Mourão com Elsa Pereira

Economia Matérias-Primas

A Quercus quer suspender a exploração on e offshore de petróleo no Alentejo. A intenção foi assumida hoje pela agência ambiental, através de um comunicado enviado à redação do Economia ao Minuto no qual faz duras críticas às decisões do Governo e aos possíveis impactos da exploração. 

"A ocorrência de um eventual acidente numa exploração deste género, mesmo que pontual, terá consequências avassaladoras", avisa a Quercus, antes de explicar que o derrame de petróleo nas águas territoriais portuguesas afetaria "irreversivelmente ecossistemas únicos e frágeis, bem como diversas espécies, incluindo aves marinhas, baleias e golfinhos". 

"Ao mesmo tempo, a Associação de Municípios do Algarve (AMAL), na ausência de respostas por parte do Secretário de Estado da Energia, decidiu avançar com a interposição de um processo judicial, com o objetivo de travar o contrato de concessão de duas explorações de petróleo em terra", explica a associação, garantindo que "este tipo de exploração não é compatível com a atividade turística", para além de significar "riscos brutais para esta região". 

Preocupada com a possibilidade de abertura de mais poços caso a jazida de Sines seja considerada comercialmente viável e a exploração em terra resulte, a Quercus pede ao Governo para "suspender todos os projetos de prospeção a decorrer em Portugal e proceder aos estudos de impacte ambiental essenciais a uma consulta pública até hoje inexistente". 

"O caminho para Portugal deverá passar por investimentos mais sólidos em energias renováveis compatíveis com a conservação da natureza, assim como pela eficiência energética, e não pela aposta na exploração de hidrocarbonetos, que entra em contradição com os compromissos assumidos pelo Estado Português na cimeira COP21", lembra a Quercus, antes de concluir com um aviso.

"A Quercus continuará a acompanhar a pesquisa, prospeção, desenvolvimento e produção de petróleo e gás natural em território nacional, integrando plataformas, tais como a Plataforma Algarve Livre de Petróleo. Encetará também todos os esforços no sentido de exigir uma discussão urgente e transparente da prospeção e exploração de hidrocarbonetos em Portugal, de forma a que o Governo entenda que essa não é a melhor opção para o país, nem a vontade das populações."

Seja sempre o primeiro a saber. Acompanhe o site eleito pela Escolha do Consumidor 2017.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório