Meteorologia

  • 25 ABRIL 2024
Tempo
13º
MIN 13º MÁX 19º

"Memorando foi negociado à pressa" e não acautelou impacto nas empresas

O presidente do Instituto de Apoio às pequenas e Médias Empresas e à Inovação (IAPMEI) disse, esta sexta-feira, que "o memorando da troika foi negociado demasiado à pressa" e sem acautelar o impacto no tecido empresarial nacional.

"Memorando foi negociado à pressa" e não acautelou impacto nas empresas
Notícias ao Minuto

17:02 - 14/12/12 por Lusa

Economia IAPMEI

"Se querem a minha opinião pessoal, penso que não foi negociado com consciência e perfeita tomada de sentido naquilo que seriam as consequências às empresas portuguesas", sustentou Luís Filipe Costa em Leiria, durante uma conferência sobre 'O Financiamento e a Recapitalização das Empresas'.

O presidente do IAPMEI referia-se à desalavancagem da banca imposta pelo Banco Central Europeu, Comissão Europeia e Fundo Monetário Internacional que "não pode ser sido feita em 24 meses", quando, salientou, tivemos mais de uma década a subir os níveis de crédito aos particulares e às empresas".

Luís Filipe Costa diz que esta situação "era perfeitamente previsível com as descidas de 'rating' que estavam a acontecer, que os bancos estrangeiros iriam sair das empresas públicas nacionais, nomeadamente das grandes empresas de transporte, e que esse crédito teria que ser substituído pela banca nacional".

O resultado, para o responsável, está à vista: "menos crédito disponível para as pequenas e médias empresas" e "uma situação muito grave de acesso ao crédito".

A situação grave é "ampliada" porque as empresas portuguesas "já tinham um nível de dependência da banca mais elevado que a média europeia e tinham já um nível de autonomia financeira dos mais baixos da Europa", frisou.

Luís Filipe Costa definiu a subcapitalização das pequenas e médias empresas como "muito grave" e defendeu que a recapitalização passa, por exemplo, por factores de incentivos fiscais e de ganhos de escala empresarial.

"Ainda temos um sistema fiscal que ainda não é amigo dos donos das empresas, dos sócios das empresas, de as recapitalizarem e colocarem lá os lucros da sua actividade anual", assinalou o presidente do IAPMEI.

Luís Filipe Costa destacou ainda que mais de 60 mil pequenas e médias empresas portuguesas já beneficiaram de nove mil milhões de euros oriundos de linhas de crédito.

"Imaginemos só por um segundo o que seria se nada tivesse sido feito. (...) Estaríamos com taxas de desemprego e níveis de insolvências ainda mais elevados", concluiu.

Recomendados para si

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório