Meteorologia

  • 25 JUNHO 2022
Tempo
23º
MIN 15º MÁX 23º

Medidas pandémicas e da energia com impacto orçamental de 1% do PIB

As medidas de resposta à pandemia e à crise energética implementadas pelo Estado vão ter um impacto orçamental de 2.237 milhões de euros este ano, o equivalente a 1% do PIB, segundo o Programa de Estabilidade (PE).

Medidas pandémicas e da energia com impacto orçamental de 1% do PIB
Notícias ao Minuto

15:06 - 28/03/22 por Lusa

Economia PIB

De acordo com o PE 2022-2026 enviado pelo Ministério das Finanças na sexta-feira ao parlamento e hoje divulgado, o total das medidas de emergência covid-19 e da crise energética significam uma despesa de 2.752 milhões de euros, o equivalente a 1,2% do Produto Interno Bruto (PIB).

No entanto, o impacto orçamental das medidas é menor, ascendendo a 2.237 milhões de euros, o correspondente a 1% do PIB.

De acordo com os cálculos da equipa ainda liderada por João Leão, a crise energética e a guerra na Ucrânia vão custar 809 milhões de euros aos cofres públicos este ano, mas o impacto no défice vai ser de apenas 524 milhões de euros.

Já a despesa total das medidas de emergência covid-19 irá cair de 6.667 milhões de euros em 2021 para 1.943 milhões de euros este ano, correspondendo em 2022 a um impacto orçamental de 1.713 milhões de euros.

A maior diferença entre o impacto orçamental das medidas temporárias entre 2021 e 2022 regista-se nas relacionadas com a Segurança Social, que caem de 2.046 milhões de euros para 508 milhões de euros.

Este ano, o Governo prevê ainda 650 milhões de euros com medidas para os transportes, cuja maior 'fatia' pertence ao apoio extraordinário à TAP (600 milhões de euros).

Estima ainda 555 milhões de euros em medidas para a saúde, que incluem a aquisição de vacinas e medicamentos covid-19 (220 milhões de euros), testes diagnóstico de Covid-19 (227 milhões de euros), equipamentos de proteção individual (41 milhões de euros) e recursos humanos (67 milhões de euros).

O PE antecipa que o défice orçamental caia dos 2,8% do PIB registado em 2021 para 1,9% do PIB este ano, uma revisão em baixa face aos 3,2%, previstos na proposta do OE2022. Estima ainda que a trajetória de redução do défice continue, caindo para 0,7% do PIB em 2023 e para 0,3% do PIB em 2024.

"A redução do défice orçamental prevista para 2022 beneficia da forte recuperação económica de 5% e das poupanças com medidas extraordinárias de emergência no valor de 1,2% do PIB, das quais se destacam 1.108 milhões de euros associados ao 'lay-off' e 461 milhões de euros de apoios de emergência às famílias", refere o documento.

Leia Também: Volt Portugal apela ao PR para que promova a reforma da lei eleitoral

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório