Meteorologia

  • 27 MAIO 2022
Tempo
21º
MIN 16º MÁX 34º

Hostels fechados e AL falidos ou em arrendamento 'mid term' no Porto

Várias dezenas de hostels da cidade do Porto fecharam com a crise da pandemia e várias apartamentos de alojamento local faliram ou alteram estadias curtas para contratos de 'mid-term' (médio e longo prazo), contam empresários do setor.

Hostels fechados e AL falidos ou em arrendamento 'mid term' no Porto
Notícias ao Minuto

14:32 - 20/01/22 por Lusa

Economia Porto

"Ao dia de hoje na plataforma digital Booking (para reservas de alojamentos e hotéis) estavam inscritos 37 hostels no grande Porto, em 2019 estavam 62 hostels. A redução foi brutal", desafaba Diogo Nogueira, proprietário do Being Porto Hostel, localizado na Rua de Belmonte, junto ao Palácio da Bolsa e Mercado Ferreira Borges, que neste momento está encerrado para obras de melhoramentos por "opção própria".

Apesar do hostel de Diogo Nogueira não ter encerrado, muito graças à localização, mas também à quebra da oferta de apartamentos de alojamento local, o empresário assume que conhece "muita gente" do Porto que não resistiu à crise no setor turístico devido à covid-19.

"Vários hostels, 'guest-houses' e apartamentos subarrendados para Alojamento Local (AL) não resistiram por incapacidade financeira e tiveram de fechar", conta Diogo Nogueira, explicando que muitas pessoas tinham investido no arrendamento de apartamentos para depois os transformar em AL, que "faliram completamente".

O negócio deles "berrou", ou seja, o negócio deles "faliu completamente" e cessaram a atividade, pois não tinham turistas.

Sem rendimentos não conseguiram pagar as rendas aos senhorios dos imóveis arrendados e "mais de 90% desses apartamentos para AL deixaram de existir" revela.

Nuno Ferreira, operador turístico que gere cerca de 50 apartamentos no coração da cidade do Porto, designadamente nas zonas do Coliseu, Ribeira, São Bento, Poveiros e Sá da Bandeira, conta que para o negócio sobreviver à pandemia, que dura há quase dois anos, tiveram de colocar vários apartamentos a contrato de 'mid-term', ou seja, com uma duração de seis meses ou mais "para mitigar os prejuízos económicos" e na esperança de que no verão seja possível recuperar.

"O que os arrendatários estão a pagar é só para cobrir as despesas e manter a cabeça à tona , pois os contratos de 'mid-term' não dão lucro. Depois temos de pagar ao verdadeiro senhorio, pois muitos apartamentos AL são alugados", explica Nuno Ferreira, referindo que há vários custos de manutenção e da Internet ainda para pagar.

A taxa turística municipal e os preços da água no Porto, que são cobrados mais caros para as empresas do que para as famílias, são outros custos que os empresários dos AL do Porto tiveram e têm de enfrentar durante a crise pandémica.

A perspetiva para os próximos meses é que o setor melhore na Páscoa e que o pleno regresse no próximo verão, mas com as novas estirpes da covid-19 o futuro é incerto.

O volume de negócios em dezembro passado foi tão mau, que muitos dos apartamentos que estavam para turismo foram à última hora para arrendamento, recorda.

Atualmente a maioria dos apartamentos AL que têm no Porto e que passaram para o regime de 'mid-term' estão a ser ocupados por trabalhadores de 'start-up' viradas para o mundo digital, como a Farfetch, ou empresas bancárias como a Natixis, conta Nuno Ferreira.

"O nosso 'core-business' são as start-up' com centros empresarias na cidade, mas também há alguns alojamentos de luxo que estão ocupados por "reformados endinheirados norte-americanos" ou "altos cargos de empresas e instituições da cidade", conclui.

Em 2007 havia apenas um hostel na cidade do Porto, em 2012 contabilizavam-se 26 hostels e seis novos pedidos diários na autarquia. Em 2015 a cidade do Porto contabilizava 61 estabelecimentos de hospedagem registados, com novos pedidos a chegar todos os meses.

Com o regime jurídico que entrou em vigou a 27 de dezembro de 2014, o hostel e o alojamento em quarto passaram também a consagrar-se estabelecimentos de hospedagem.

Leia Também: Portugal regista mais 56.426 novos casos e 34 mortes

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório