Meteorologia

  • 24 OUTUBRO 2021
Tempo
25º
MIN 13º MÁX 25º

Edição

Falta de semicondutores resulta da conjugação de vários fatores

A escassez de semicondutores a nível mundial, que também tem impacto em Portugal, resulta da conjugação de vários fatores, disse à Lusa o sócio da consultora BCG José Ferreira, que considera que os preços vão subir a curto prazo.

Falta de semicondutores resulta da conjugação de vários fatores
Notícias ao Minuto

10:48 - 05/06/21 por Lusa

Economia BCG

A falta de semicondutores já levou a paragens de produção na Bosch, em Braga, ou na Autoeuropa, só para citar alguns exemplos.

Os semicondutores abrangem um espectro muito alargado de coisas, que vão desde o pequeno sensor do automóvel que apita até ao processador que está dentro de um 'smartphone', entre outros.

A cadeia de fornecimento global de semicondutores divide-se, essencialmente, em dois pontos: os Estados e a Europa são os "locais onde é feito muita da investigação e desenvolvimento, o desenho do circuito, toda a componente do design", enquanto a produção - já que é um negócio de escala - está concentrada na China (baixa e média complexidade), Coreia do Sul e, em particular, em Taiwan, onde estão os 'chips' mais avançados, explicou o responsável da Boston Consulting Group (BCG).

"Taiwan tem a particularidade importante" de ter a TSMC - Taiwan Semiconductor Manufacturing Company, que "é reconhecidamente uma empresa que tem 10 anos de avanço em termos tecnológicos face a qualquer produtor de semicondutores", acrescentou.

Ora, neste aspeto, existe uma "questão geopolítica em termos de semicondutores", uma vez que a China tem uma "visão de 'one-China', da qual Taiwan faz parte", prosseguiu. Isto significa que se Pequim invadisse Taiwan - "apesar de pouco provável, é possível" -, os Estados Unidos "ficariam geograficamente reféns de uma super potência numa área que é absolutamente crítica".

Taiwan é responsável pela produção de 92% dos semicondutores avançados e a Coreia do Sul pelos outros 8%.

No que respeito à procura de semicondutores, José Ferreira adiantou que a pandemia de covid-19 foi um dos fatores que levou à escassez, com o aumento de aquisição de 'laptops', de consolas, aquisição de dispositivos inteligentes para a casa, entre outros.

Outro dos fatores foram as 'bitcoins' (criptomoedas). "Para minar 'bitcoins' é preciso processadores e com esta especulação houve uma procura brutal por processadores", prosseguiu.

E, portanto, "'chips', que eram usados em veículos elétricos, consolas de jogos, computadores, começaram a ser montados para fazer 'mining bitcoin' e isso está a fazer pressão na cadeia" de fornecimento, apontou.

Aliás, a pressão é tal que houve alguns produtores de semicondutores para consolas que implementaram restrições nos seus 'chips' para evitar que sejam utilizados em outras operações, contou.

O terceiro fator, acrescentou José Ferreira, "tem a ver com uma procura estrutural que está a aumentar", impulsionada pleas 'smart cities' [cidades inteligentes], IoT [Internet das Coisas], veículos elétricos, entre outros.

Por último, a procura de semicondutores também foi afetada por um "fator puramente logístico: a cadeia de fornecimento está sob pressão por questões de tarifas e o tráfego marítimo teve problemas devido à covid-19".

A curto prazo, "vai aumentar um aumento de preços, os carros ou os 'smartphones' vão ficar mais caros", considerou, admitindo que o efeito preço devido ao desequilíbrio entre a procura e oferta vai "provavelmente ser absorvido pelo consumidor".

E com o advento da quinta geração (5G), a pressão sobre a procura vai continuar.

No entanto, José Ferreira espera que possa haver um alívio nesta pressão da procura, nomeadamente porque "o efeito 'bitcoin' é mais temporário", o transporte marítimo irá normalizar-se e também porque já está a acontecer uma recuperação da capacidade de produção de semicondutores.

Por outro lado, os Estados Unidos criaram um programa de incentivos - 50 mil milhões de dólares - para atrair a indústria de 'chips'.

"Por causa do tema geopolítico, os Estados Unidos, em particular, e a Europa provavelmente irá seguir, estão a tentar trazer alguma capacidade produtiva para o seu território", salientou.

"Estamos a ver uma escassez que conjuga vários fatores ao mesmo tempo, mas acho que vão ser eliminados naturalmente", rematou.

Leia Também: Indústria de semicondutores precisa de investir 2,4 mil milhões de euros

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório