Meteorologia

  • 21 JUNHO 2021
Tempo
16º
MIN 15º MÁX 22º

Edição

Fed e economistas criticam subrepresentação das minorias na Economia

Os dirigentes do banco central dos EUA realçaram na terça-feira a preocupação com a sub-representação das comunidades negra e hispânica no campo da economia, o que reduz as possibilidades de os economistas considerarem as suas realidades.

Fed e economistas criticam subrepresentação das minorias na Economia
Notícias ao Minuto

06:35 - 14/04/21 por Lusa

Economia Economia

"Se não tivermos um grupo de pessoas diversificado, não teremos os tópicos devidos para nos focarmos", afirmou o presidente do Banco da Reserva Federal (Fed) em Boston, Eric Rosengren.

Durante uma conferência na internet (webinar), patrocinada pelas 12 antenas regionais da Fed, os dirigentes desta e vários economistas externos analisaram o problema no mesmo dia em que foi divulgado um estudo, pela Brookings Institution, que salientou o facto de os principais cargos do Sistema da Reserva Federal serem ocupados de forma desproporcionada por brancos, em particular nas administrações das antenas regionais da Fed.

A pandemia do novo coronavírus e os protestos no último verão, motivados pela injustiça racial, evidenciaram à escala nacionais as disparidades antigas, de género e raça, na economia dos EUA, com taxas de desemprego cronicamente mais elevadas e acentuadamente baixos níveis de riqueza, rendimento e propriedade para os afro-americanos e os hispânicos.

Mesmo com este contexto, a Economia está atrás de outras áreas de conhecimento em termos de diversidade, apontaram os participantes, e a profissão de economista tem sido lenta em tratar o racismo como fonte de desigualdade económica.

"Raça é uma variável que os economistas minimizam", disse Raphael Bostic, o presidente do banco da Fed em Atlanta e o primeiro negro a presidir a uma antena regional do banco central nos 108 anos do Sistema. "Isto significa que tiramos conclusões que com frequência não refletem a realidade", acentuou.

Bostic apontou a adoção pela Fed, no verão passado, de um novo quadro de referência para decisões de política monetária, seguindo o qual o banco central vai esperar pelo aumento da inflação antes de decidir elevar as suas taxas de juro de referência. Antes, a Fed aumentaria as taxas com base na expectativa de a inflação ir acelerar, mesmo que esta não se viesse a verificar.

Este novo quadro, indicou Bostic, reflete o reconhecimento alargado pela Fed das consequências das suas decisões.

"Se se limita a recuperação com receios da inflação, mesmo que esta não se veja, está-se a impedir que vários grupos de pessoas participem na economia", disse. "E quando se olha para estes grupos, tendem a ser formados por pessoas de baixos rendimentos e de minorias que são as últimas a beneficiar" da recuperação.

Por outro lado, a falta de diversidade estreita o campo da pesquisa. Dania Francis, economista na Universidade do Massachusetts, e Anna Gifty Opoku-Agyeman, cofundadora do Sadie Collective, uma organização sem fins lucrativos que apoia mulheres negras na Economia, apuraram que, de 1990 a 2018, as cinco principais revistas de Economia publicaram apenas 29 'papers' (textos científicos) que analisaram explicitamente a raça e a etnicidade. Em relação ao total publicado no período e nas revistas em apreço, aqueles 29 trabalhos representaram menos de 0,5% do total.

Leia Também: Economia italiana só vai recuperar da pandemia no final de 2022

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório