Meteorologia

  • 04 MARçO 2021
Tempo
14º
MIN 12º MÁX 16º

Edição

Sindicato denuncia férias forçadas no Vidago Palace, hotel nega acusação

O sindicato da hotelaria do Norte disse hoje à Lusa que os trabalhadores do Vidago Palace Hotel foram forçados a tirar férias e ameaçados com represálias, mas a proprietária Super Bock Group defendeu que a aceitação foi voluntária.

Sindicato denuncia férias forçadas no Vidago Palace, hotel nega acusação
Notícias ao Minuto

14:47 - 28/01/21 por Lusa

Economia Vidago Palace

Segundo o presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Indústria de Hotelaria, Turismo, Restaurantes e Similares do Norte, Francisco Fernandes, os trabalhadores do Vidago PalaceHotel, no concelho de Chaves, distrito de Vila Real, foram informados numa reunião de que "quem não aceitasse ir de fériasem janeiro e fevereiro iria sofrer as consequências no futuro".

"É uma forma de pressão inaceitável sobre os trabalhadores, porque de acordo com a contratação coletiva de hotelaria, a empresa só pode marcar férias, sem acordo dos trabalhadores, entre maio e outubro. Neste momento a empresa está numa ilegalidade e nós não podemos aceitar isso", sublinhou.

O dirigente sindical adiantou que "muitos trabalhadores não resistiram à pressão e assinaram o acordo".

Francisco Fernandes salientou que a situação afeta "dezenas de trabalhadores obrigados a ir de férias numa altura de confinamento".

"Como foi feito sob pressão esperamos que as autoridades intervenham e anulem este mapa de férias que a empresa impôs e que não tinha legitimidade para o fazer", atirou, explicando ter feito uma denúncia para a Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT).

Fonte da ACT de Vila Realconfirmou à Lusa que foi apresentada uma queixa, em 25 de janeiro, acrescentando que a intervenção desta entidade no Vidago Palace Hoteldeverá ocorrer "em breve".

Numa resposta por escrito enviada à Lusa, a Super Bock Group rejeitou "veemente a acusação do sindicato" garantindo que "sempre pautou e pauta a sua atuação pelo escrupuloso cumprimento da lei".

A empresa proprietária do hotel explicou ainda que face ao agravamento das medidas pelo Governo,devido à pandemia de covid-19, decidiu encerrar as unidades hoteleiras de Vidago e Pedras Salgadas.

"A empresa promoveu uma auscultação à disponibilidade e interesse dos colaboradores daquelas unidades hoteleiras para gozarem férias nas próximas semanas e assim evitar, pelo menos para já, uma possível entrada em 'lay-off', evitando, assim, o impacto daquela medida para os trabalhadores", realçou.

"De salientar que da auscultaçãoobteve-se a aceitação voluntária de grande parte dos colaboradores para gozo de férias. Os restantes colaboradores mantêm-se a exercer funções de serviços mínimos apesar da unidade se encontrar encerrada", acrescentou.

Leia Também: Do lay-off à Saúde, resposta à pandemia custou 'isto' em 2020

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório