Meteorologia

  • 27 NOVEMBRO 2020
Tempo
16º
MIN 9º MÁX 16º

Edição

PSI20 segue em queda com Jerónimo Martins e EDP a pressionarem

A bolsa de Lisboa mantém-se em queda, alinhada com a tendência das principais bolsas europeias, com as ações da Jerónimo Martins e da EDP a penalizarem as negociações no arranque da semana.

PSI20 segue em queda com Jerónimo Martins e EDP a pressionarem
Notícias ao Minuto

10:09 - 08/06/20 por Lusa

Economia PSI20

Na sexta-feira, o principal índice de referência, o PSI20, encerrou a baixar 0,26% para 4.609,19 pontos, em contraciclo com as principais praças europeias, que terminaram com ganhos expressivos.

Hoje, pelas 09:30, o PSI20 seguia em queda de 0,58% para 4.582,61 pontos, com 10 ações em baixa e oito em baixa.

Nas perdas, a Ibersol liderava com uma descida de 3% para 5,82 pontos, seguida da Jerónimo Martins, que seguia em baixa de 2,16% para 15,16 euros.

A EDP e a EDP Renováveis seguiam em queda de 2,05% e 1,95% para 4,16 euros e 12,06 euros, respetivamente.  

Já o BCP perdia 0,34% para 0,12 euros.

A Pharol e a Navigator eram, por seu turno, as empresas que mais subiam, com ganhos de 1,94% e 0,67% para 0,10 euros e 2,39 euros, respetivamente.

A Galp Energia seguia em alta de 0,25% para 12,02 euros.

Lisboa seguia alinhada com as principais bolsas europeias, que seguem a negociar em baixa, à exceção de Madrid e Milão, invertendo a tendência da abertura depois da publicação de dados sobre o setor industrial alemão.  

De acordo com o gabinete de estatísticas alemão (Destatis), a produção industrial caiu 17,9% em abril, face a março e 25,3% em termos homólogos devido ao impacto da pandemia de covid-19, a maior queda em 30 anos.

O barril de crude Brent para entrega em agosto subia hoje 1,4% no mercado de futuros de Londres, até aos 42,86 dólares, depois dos países da OPEP terem chegado a acordo no sábado sobre um prolongamento dos cortes de produção por mais um mês, de forma a controlar a balança dos preços no mercado.

O corte será mantido nos atual 9,7 milhões de barris diários até final do próximo mês, em vez de ser reduzido para 7,7 milhões de barris, como era o previsto no anterior acordo para o início de julho.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório