Meteorologia

  • 23 SETEMBRO 2019
Tempo
18º
MIN 14º MÁX 24º

Edição

Governo suspende inquérito 'motivacional' dirigido à Função Pública

A 'culpa' é da proximidade das eleições legislativas que pode "comprometer a fiabilidade dos resultados", justifica o Ministério das Finanças.

Governo suspende inquérito 'motivacional' dirigido à Função Pública

Depois de a Direção-Geral da Administração e do Emprego Público (DGAEP) ter decidido lançar uma segunda edição de um inquérito sobre questões motivacionais, dirigido a todos os trabalhadores em funções públicas, o Governo decidiu intervir e suspendeu o dito questionário.

Considera o Executivo, em comunicado enviado às redações pelo Ministério das Finanças, que "em período pré-eleitoral" tal facto "pode comprometer a fiabilidade dos resultados, inviabilizando todo o inquérito e a comparabilidade com os resultados obtidos em 2015".

Por esse motivo, "o Governo determinou a suspensão temporária do inquérito, e que o preenchimento dos questionários e as fases subsequentes sejam retomados após as eleições legislativas marcadas para dia 6 de outubro"

No inquérito, agora suspenso, os funcionários públicos eram convidados a responder a um questionário sobre fatores motivacionais, nomeadamente se estão atualmente mais motivados do que há cinco anos - com o Governo de coligação PSD/CDS - e se esta motivação foi influenciada negativamente no período da 'troika'.

O questionário foi lançado pela DGAEP no passado mês de julho e podia ser respondido até 30 de setembro, ou seja, já em período de campanha eleitoral e a poucos dias das eleições legislativas (6 de outubro).

O que queria a DGAEP saber?

Entre as quatro partes que integram o questionário, agora suspenso pelo Governo, constava uma parte (a última) em que os trabalhadores eram convidados a assinalar o seu grau de acordo ou desacordo relativamente a 38 temas, nomeadamente se "o período da 'troika' influenciou negativamente" a sua motivação no trabalho e se a "reposição dos salários afetou positivamente" essa motivação.

As duas últimas questões procuravam saber se "o descongelamento progressivo das carreiras é motivador" e se o trabalhador se sente "hoje mais motivado no trabalho do que há cinco anos atrás".

No primeiro questionário, que data de 2015, os funcionários públicos eram convidados a manifestar o seu acordo/desacordo relativamente à segurança no posto de trabalho, relação com os colegas e chefias, autonomia, relação entre o seu salário e a capacidade de este lhes proporcionar uma vida com dignidade ou ainda se os incentivos financeiros eram o que mais contavam para os motivar.

No relatório produzido na sequência do questionário de 2015 - que foi respondido por 16.816 trabalhadores num universo de mais de 500 mil - é referido que os trabalhadores aproveitaram a ocasião para alertar para o facto de não haver qualquer pergunta sobre o aumento do horário das 35 para as 40 horas semanais.

Apesar desta sugestão, a segunda edição do inquérito não incluía qualquer pergunta sobre o horário que, entretanto, regressou às 35 horas semanais através de um processo que ainda hoje continua a receber críticas por parte dos dirigentes sindicais.

Entre as sugestões então feitas, os funcionários públicos apontaram ainda a necessidade de serem questionados relativamente aos cortes e ao congelamento das remunerações - por considerarem que esta situação contribuía para o empobrecimento do trabalho - e sobre o congelamento de carreiras.

[Notícia atualizada às 12h59]

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório