Meteorologia

  • 18 ABRIL 2019
Tempo
16º
MIN 15º MÁX 17º

Edição

Funcionários de seis bancos pedem reposição de direitos perdidos na crise

Comissões de trabalhadores de seis bancos pediram hoje que sejam repostos os direitos laborais perdidos durante a crise e criticaram o crescente uso de funcionários precários, com baixos salários.

Funcionários de seis bancos pedem reposição de direitos perdidos na crise
Notícias ao Minuto

17:15 - 28/01/19 por Lusa

Economia Banca

Na semana passada reuniram-se em Lisboa cerca de 40 representantes das Comissões de Trabalhadores de Caixa Geral de Depósitos, Novo Banco, Banco BPI, Banco Santander, Montepio Geral e ainda do Banco de Portugal.

Segundo o comunicado conjunto hoje divulgado, estas estruturas representantivas dos trabalhadores bancários acordaram que é necessário sensibilizar os bancos "para a degradação das condições de emprego, alterações dos vínculos laborais e precariedade crescente no setor bancário", e criticam o uso "continuado" de trabalhadores precários externos, com baixos salários.

As comissões de trabalhadores pedem ainda que sejam repostas as "regalias retiradas com o manto da 'troika'", desde logo através de progressões nas carreiras e da reposição do poder de compra real.

Pedem ainda que seja reconhecido o direito a desligar, para que haja "uma conciliação harmoniosa da sua vida pessoal e da vida profissional", considerando que "este equilíbrio é fundamental na obtenção de um bom desempenho".

As comissões representantes dos trabalhadores dos bancos pedem ainda que os bancos invistam na formação dos trabalhadores, não se preocupando apenas em contratar novos funcionários já adaptados às novas tecnologias, e pedem que haja "valorização salarial e proteção na saúde dos trabalhadores", até porque "a maioria dos bancos vai fechar o ano de 2018 com bons resultados líquidos".

Por fim querem que seja alterada a lei que determina a caducidade das convenções coletivas, por considerarem que há "aproveitamento pelas entidades patronais para fazer denúncia de acordos e diminuir ainda mais os direitos dos trabalhadores", e que as remunerações complementares e isenções de horários de trabalho sejam contabilizadas para efeitos de cálculo de reforma.

O encontro das CT bancárias não contou com a presença da estrutura representativa dos trabalhadores do BCP, que este ano esperam começar a recuperar o dinheiro cortado nos salários, entre 2014 e 2017, valor que estimado entre 30 e 40 milhões de euros.

Entre meados de 2014 e de 2017, os trabalhadores do BCP com remunerações acima de 1.000 euros brutos mensais tiveram os salários cortados (entre 3% e 11%), no âmbito da reestruturação do banco acordada com Bruxelas que se seguiu à ajuda estatal (de 3.000 milhões de euros) e que implicou também o fecho de balcões e a saída de milhares de trabalhadores num programa de reformas antecipadas e rescisões por mútuo acordo.

Os cortes salariais acabaram em julho de 2017, tendo permitido, segundo o banco, salvar 400 postos de trabalho.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório