Meteorologia

  • 15 NOVEMBRO 2018
Tempo
15º
MIN 13º MÁX 16º

Edição

Wall Street fecha am alta graças a negociações sino-norte-americanas

A bolsa nova-iorquina encerrou hoje em alta, com os investidores otimistas graças a informações relativas a possíveis avanços nas negociações comerciais entre Washington e Pequim.

Wall Street fecha am alta graças a negociações sino-norte-americanas
Notícias ao Minuto

22:46 - 17/08/18 por Lusa

Economia Bolsa

Os resultados definitivos da sessão indicam que o seletivo Dow Jones Industrial Average ganhou 0,43%, para os 25.669,32 pontos.

O tecnológico Nasdaq avançou 0,13%, para as 7.816,33 unidades, e o alargado S&P500 progrediu 0,33%, para as 2.850,13.

No conjunto da semana, o Dow Jones e o S&P500 fecharam com ganhos, respetivamente de 1,4% e 0,6%, mas o Nasdaq apresentou uma desvalorização de 0,3%.

Hoje, os índices bolsistas "beneficiaram do aparecimento durante a sessão de um artigo do Wall Street Journal afirmando que os negociadores chineses e norte-americanos estavam em vias de discutir uma forma de resolver a disputa comercial entre as duas economias", a pensarem também na "cimeira entre Donald Trump e Xi Jinping em novembro", sublinhou Karl Haeling, da LBBW.

"Se se conseguir afastar a perspetiva de uma nova escalada das tensões" e a imposição de taxas alfandegárias suplementares, "isso permitiria ao mercado absorver mais facilmente qualquer outro problema que possa aparecer no mundo", seja na Turquia ou algures, acrescentou.

Contudo, "a falta de detalhes" quanto ao processo de negociação ou sobre as exigências das partes "limitou a subida dos índices", estimou Haeling.

Os índices mostraram alguma hesitação no início da sessão, com os investidores a mostrarem-se prudentes perante o recuo da lira turca.

Afetada pela ameaça de novas sanções dos EUA se a Turquia não libertasse um preso norte-americano, a que os dirigentes de Ancara prometerem responder, a lira tornou a cair, depois de três dias de recuperação face ao dólar.

O setor tecnológico também foi afetado pelas previsões dececionantes da Nvidia, que perdeu 4,90%, e da Applied Materials, que recuou 7,72%, dois grupos ligados ao setor dos semicondutores.

A sessão foi também marcada pela ideia avançada por Donald Trump de uma publicação dos resultados das empresas cotadas de seis em seis meses, e não de três em três, como agora.

A Tesla, que teve hoje uma forte baixa, de 8,93%, tornou a estar em destaque, com o seu presidente, Elon Musk, a dar uma longa entrevista ao New York Times, na qual confessou estar a viver "o ano mais difícil e mais doloroso da (sua) carreira".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório