Meteorologia

  • 21 NOVEMBRO 2018
Tempo
13º
MIN 12º MÁX 14º

Edição

Trabalhadores do Grupo Eva protestam por melhores salários em Faro

Cerca de uma centena de trabalhadores de empresas do grupo de transporte rodoviário algarvio EVA concentraram-se hoje em frente à gare de Faro para pedir melhores salários e igualdade entre profissionais com o mesmo serviço.

Trabalhadores do Grupo Eva protestam por melhores salários em Faro
Notícias ao Minuto

13:07 - 14/06/18 por Lusa

Economia Manifestação

A concentração foi convocada pelo Sindicato de Transportes Rodoviários e Urbanos de Portugal (STRUP) e coincidiu com o primeiro de dois dias de greve nas empresas Próximo, Frota Azul e Translagos, que teve "uma adesão próxima dos 50%", segundo fonte sindical.

Paulo Silva, coordenador regional do Algarve do STRUP, explicou que os trabalhadores destas empresas fazem o mesmo serviço que os da EVA Transportes, a outra empresa do grupo algarvio, na qual existe um Acordo de Empresa e os trabalhadores são pagos "um pouco melhor do que os colegas".

Em causa estão "cerca de 200 trabalhadores" das empresas do Grupo EVA - pertencente, por sua vez, ao Grupo Barraqueiro - que hoje deram "um passo corajoso", aderindo a uma greve num setor onde habitualmente a "contestação laboral era praticamente inexistente".

O protesto contou com o apoio de outras estruturas sindicais e de partidos políticos em solidariedade para com os motoristas de autocarros do Algarve, que "recebem 538 euros por mês".

Estiveram presentes o secretário-geral da Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses (CGTP), Arménio Carlos, a coordenadora do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins, e o membro do Comité Central do PCP Vasco Cardoso, entre outros.

Arménio Carlos disse aos manifestantes que "tornaram possível o que parecia impossível" ao aderirem à greve e pararem muitos dos transportes rodoviários do Algarve.

A sua luta, acrescentou, "não é só uma luta por melhores salários, é também uma luta pela dignidade", e são precisos "estabilidade no emprego" e "horários dignos, que permitam conciliar a vida familiar".

"Não é admissível que uma profissão com a responsabilidade como aquela que vocês desenvolvem como motoristas, que tem relação direta todos os dias com a segurança das pessoas, tenha horários desregulados e salários na ordem dos 600 euros. Isto não pode continuar, isto tem de acabar", afirmou Arménio Carlos.

Catarina Martins, coordenadora do BE, solidarizou-se com a luta dos trabalhadores, disse saber que vivem "numa situação difícil" e que tomaram a "decisão complicada de fazer uma greve", numa empresa onde "todos os salários base são muito baixos" e "até os melhores são muito baixos".

"Como é possível que quem trabalha neste setor e tem tanta responsabilidade ganhe tão pouco? Não é justo, não é assim que se trata quem trabalha e a luta por salários base dignos é essencial", afirmou Catarina Martins, lamentando que a empresa use os suplementos para "compensar" esses salários baixos e tente "nivelar por baixo", utilizando para isso "trabalhadores de uma empresa contra a outra".

Vasco Cardoso, do PCP, disse que os trabalhadores mostraram "a força organizada da luta" e considerou que "não é possível olhar para o Algarve sem o papel da EVA e os trabalhadores que todos os dias fazem circular" os autocarros na região.

"As razões desta luta são justas, os salários são baixos e há discriminação salarial dentro do grupo. É um elemento que se verifica para pressionar ainda mais para baixo os direitos dos trabalhadores e as suas condições de vida", disse Vasco Cardoso.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório