Meteorologia

  • 19 FEVEREIRO 2018
Tempo
16º
MIN 16º MÁX 16º

Edição

Rui Veloso e Júlio Pereira atuam no B.Leza num ciclo dedicado às cordas

Rui Veloso, Júlio Pereira e Jon Luz são alguns dos músicos que participam no ciclo dedicado aos instrumentos de corda, que se realiza no espaço B.Leza, em Lisboa, a partir da próxima quinta-feira.

Rui Veloso e Júlio Pereira atuam no B.Leza num ciclo dedicado às cordas
Notícias ao Minuto

16:30 - 18/01/18 por Lusa

Cultura Música

"Uma vibração responde à tensão do movimento e nasce o som", afirma a organização do ciclo, num comunicado enviado à agência Lusa, acrescentando que a corda está presente desde a guitarra portuguesa ao cavaquinho, violino, alaúde ou berimbau, e "vai ser o principal artista no palco do B.Leza".

'Os instrumentos de cordas são um meio de comunicação que une Portugal a Cabo Verde, emblemáticos na cultura dos dois países, que, tal como na língua portuguesa, têm os seus trejeitos e sotaques, mas no fim todos se entendem, a cantar e dançar', segundo a mesma fonte, referindo que a 'corda acompanha a humanidade desde a Mesopotâmia'.

O concerto inaugural, no dia 25, às 22:00, é protagonizado pelo músico de Cabo Verde Bau, que convida Rui Veloso, e segue-se no dia 08 de fevereiro Júlio Pereira, que convida Jon Luz.

Bau, de seu nome de registo Rufino Almeida, de 55 anos, é multi-instrumentista de Cabo Verde, apontado pela crítica musical como 'o mago da corda'. É natural de São Vicente e um autodidata, que começou a aprender a tocar cavaquinho aos sete anos.

O músico constrói os seus próprios instrumentos, cavaquinho, violino e guitarra de dez cordas, instrumentos que constituem o seu universo musical, com base nas suas raízes, primeiro ligado às origens cabo-verdianas.

Bau assina, entre outras, a composição 'Raquel', canção do filme 'Hable con Ella', de Pedro Almodóvar, e foi diretor musical de Cesária Évora (1941-2011).

O músico constituiu a banda Gaiatos, com Tito Paris e Biús, e esta será a sua quarta atuação naquela sala lisboeta.

Rui Veloso, apontado como 'o pai do rock português', já partilhou palco com vários instrumentistas, entre os quais B. B. King (1925-2015), de quem afirmou à Lusa ser um confesso admirador.

Júlio Pereira, que toca em fevereiro, acompanhou músicos como José Afonso, dedicou o seu primeiro álbum em nome próprio ao cavaquinho, cordofone popular minhoto. No ano passado, foi distinguido com o Prémio Pedro Osório 2018 da Sociedade Portuguesa de Autores.

Júlio Pereira aprendeu a tocar bandolim aos sete anos e fez parte da banda de rock progressivo Petrus Castrus.

'Braguesa', 'Os Sete Instrumentos' ou 'Janelas Verdes' são alguns dos álbuns, aos quais se junta o mais recente, 'Praça do Comércio' (2017).

Jon Luz toca viola, compõe canções e tem acompanhado nomes como António Zambujo, Ana Moura, Roberta Sá ou Sara Tavares.

Natural da ilha de Santo Antão, o músico que fez parte da banda de Cesária Évora, tem vários álbuns em nome próprio, nomeadamente, 'Farrope d'Poesia'.

O espaço B.Leza, ao Cais do Sodré, em Lisboa, abriu portas em 1995, e visa homenagear o poeta e compositor cabo-verdiano Francisco Xavier da Cruz (1905-1958), mais conhecido como B.Leza.

O espaço foi declarado pela Câmara de Lisboa como de 'interesse cultural relevante'.

Pelo seu palco já passaram nomes como a Ala dos Namorados, Ildo Lobo, Tubarões, Tito Paris, Jorge Palma, Dany Silva, Bana, Sara Tavares, Cesária Évora, Rodrigo Leão, Cool Hipnoise, Bonga, Ada de Castro e Rita Gordo, entre outros.

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório

Os cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador.

Ao utilizar o nosso website, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.