Meteorologia

  • 22 MAIO 2019
Tempo
21º
MIN 19º MÁX 22º

Edição

Portuguesa filma mutilação genital não como "barbárie", mas como "acto civilizacional"

A mutilação genital está presente no filme ‘Bobô’, da realizadora portuguesa Inês Oliveira, que hoje se estreia no festival IndieLisboa, e que vê a prática não como "uma barbárie", mas como "um ato civilizacional".

Portuguesa filma mutilação genital não como "barbárie", mas como "acto civilizacional"
Notícias ao Minuto

21:41 - 23/04/13 por Lusa

Cultura curiosidades

É a primeira vez que o tema da mutilação genital feminina que, em Portugal, afecta sobretudo as mulheres de algumas etnias originárias da Guiné-Bissau, é tratado numa ficção nacional.

Inês Oliveira disse à Lusa que decidiu filmar ‘Bobô’ depois de conhecer uma mulher guineense. "A história nasceu de uma forma um pouco espontânea", explica, reconhecendo que, quando ouviu falar da prática, julgava que "era uma coisa que acontecia muito longe, algures entre tambores", em África.

‘Bobô’, que hoje é exibido na Culturgest, às 21h30, no âmbito do festival de cinema IndieLisboa, conta a história da relação entre duas mulheres, Sofia, portuguesa, e Mariama, guineense, com diferentes "maneiras de estar no mundo".

"Sabia muito pouco sobre o assunto e tinha aversão, e ainda hoje tenho, mas não conseguia contextualizar", conta Inês Oliveira, que optou por tratar o tema "do ponto de vista do simbólico e não analisá-lo tanto do ponto de vista físico".

A mutilação genital feminina "é muitas vezes" tida "como uma barbárie, quando, na verdade, é um ato civilizacional, ou seja, é fruto de uma necessidade, de uma vontade de capitalizar as jovens raparigas", destaca. "É acompanhada de um ritual que é tomado como educação. Há uma escolinha onde elas [as meninas] aprendem uma série de lições de vida", explica.

O objectivo é controlar a sexualidade feminina", mas esse fim é comum a "todas as civilizações, porque a mulher pode mentir em relação ao pai da criança", diz.

Quando a conheceu, há dois anos, a actriz guineense Aissato Indjai, que interpreta Mariama, "mal falava português". Era "muito orgulhosa da sua cultura", mas também "crítica", e deu "um valor de autenticidade" ao filme.

A realizadora nunca abordou o assunto da mutilação com Aissato Indjai. "Acho que é um assunto da intimidade das pessoas. Muitas pessoas que foram submetidas à prática não querem ser vistas como vítimas e eu percebo isso perfeitamente. Eu própria, se fosse excisada, não o diria", frisa.

A comunidade imigrante guineense que foi "conhecendo" ao longo das filmagens é "muito típica, em todas as suas qualidades e defeitos", resume.

Recordando a comunidade portuguesa em França, realça que "há sempre uma cristalização da essência nacional nas comunidades imigrantes".

"Como os portugueses em França também comem o seu bacalhau sempre que podem e ouvem a música portuguesa e há ali uma exacerbação do ser português, também os guineenses assim o fazem, porque há uma luta de sobrevivência da sua identidade, étnica e nacional", compara.

Na comunidade guineense, encontrou pessoas com "opiniões muito distintas" sobre a prática da mutilação genital feminina. "Não consigo generalizar e dizer que maioria das pessoas são contra ou a maioria das pessoas são a favor", diz.

No filme, Mariama decide fugir com a irmã, Bobô, para evitar que ela seja submetida à mutilação. "Era importante ser ela própria, a Mariama, a insurgir-se, e não ser a Sofia a fazê-lo", assume.

‘Bobô’, que está em competição no IndieLisboa e volta a ser exibido na sexta-feira, às 19h ainda não tem data de estreia nas salas nacionais.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório