Meteorologia

  • 22 ABRIL 2019
Tempo
17º
MIN 14º MÁX 21º

Edição

Luís Filipe Castro Mendes, o diplomata poeta que virou ministro

Poeta ficcionista português, Luís Filipe Castro Mendes nasceu em 1950, em Idanha-a-Nova, distinguindo-se por uma vasta obra escrita e uma carreira diplomática em postos como Luanda, Paris ou Nova Deli.

Luís Filipe Castro Mendes, o diplomata poeta que virou ministro
Notícias ao Minuto

10:59 - 10/04/16 por Lusa

Cultura Perfil

Licenciado em 1974 em Direito pela Universidade de Lisboa, o novo ministro da Cultura ingressou a partir de 1975 na carreira diplomática, tendo passado sucessivamente por Luanda, Madrid, Paris, Rio de Janeiro, Budapeste e Nova Deli.

Foi assessor de Melo Antunes no Ministério dos Negócios Estrangeiros e, mais tarde, do presidente Ramalho Eanes em 1983.

Em 2010, substituiu Manuel Maria Carrilho na UNESCO e em 2012 assumiu funções no Conselho da Europa.

Desde muito cedo, entre 1965 e 1967, foi colaborador do jornal Diário de Lisboa-Juvenil.

A obra de Luís Filipe de Castro Mendes carateriza-se por cultivar as formas clássicas e a musicalidade dos versos e enquadra-se numa estética pós-modernista.

Revela ainda um universo enigmático onde o fingimento e a sinceridade, o romântico e o clássico, a regra e o jogo o levam a uma das suas obras mais expressivas 'O Jogo de Fazer Versos' (1994).

No seu livro de esteia 'Recados' (1983), problematiza quer a relação entre o sujeito e a realidade pela impossível nomeação que inscreve a poesia entre a palavra e o silêncio quer a relação entre o eu e o outro, numa última parte composta por uma série de mensagens dirigidas a destinatários identificados pelo nome próprio.

É autor de 'Correspondência Secreta' (1995), obra fundada sobre a invenção histórico-ficcional e sobre o exercício de paródia, reunindo uma série de textos (monólogos, cartas, poemas) atribuídos a figuras literárias, como Marquesa de Alorna, Filinto Elísio, Cavaleiro de Oliveira, entre outros) na charneira entre o classicismo e o pré-romantismo.

A obra de Luís Filipe Castro Mendes tem ainda como traço distintivo a capacidade de renovar as experiências de escrita.

'Areias Escuras' (1984), 'Seis Elegias e Outros Poemas' (1985), galardoado com o prémio da Associação de Jornalistas e Homens de Letras do Porto, 'A Ilha dos Mortos' (1991) e 'Outras Canções' (1998) são ainda exemplos de outras obras deste autor.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório