Meteorologia

  • 18 JULHO 2019
Tempo
17º
MIN 16º MÁX 18º

Edição

Nem na sua morte, Agustina, o "tesouro nacional", deixa páginas em branco

Um dos maiores nomes da literatura portuguesa morreu, na segunda-feira, na sua casa, no Porto. Tinha 96 anos e uma vida preenchida. Estava ausente do grande público desde que sofreu um Acidente Vascular Cerebral em 2006. Em sua homenagem, o Governo decretou um dia de luto nacional.

Nem na sua morte, Agustina, o "tesouro nacional", deixa páginas em branco

Agustina Bessa-Luís morreu, mas a sua memória permanecerá viva na história da literatura de Portugal. E não somos só nós que o dizemos. Escritores, amigos, admiradores. Todos defendem a importância que a autora teve na história da literatura nacional, importância essa bem patente na decisão do Governo em decretar, para hoje, um dia de Luto Nacional em memória da escritora.

Também as declarações do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, são um espelho daquilo que significa a obra e a vida de Agustina Bessa-Luís para Portugal e para os portugueses: "O Presidente da República curva-se perante o seu génio".

Mas se dúvidas ainda houvesse, as mesmas deixam-se dissipar na cobertura noticiosa da morte de Agustina que é feita para lá da fronteira nacional.

Em Espanha, o El País descreve a autora como a "grande dama da literatura portuguesa", enquanto em França, mais concretamente no conceituado jornal Le Fígaro, Agustina é a "figura maior da literatura de Portugal".

A morte do nosso "tesouro nacional" chegou também às páginas da imprensa alemã, através do jornal Spiegel, e até navegou pelo oceano Atlântico, chegando ao Brasil pelo G1.

Amigos, escritores. Todos fazem uma vénia a Agustina

Na senda da morte da escritora, o poeta Arnaldo Saraiva afirmou que a escritora foi “de longe a maior figura feminina da literatura portuguesa” do século XX, não desfazendo, claro, Florbela Espanca, Sophia de Mello Breyner Andresen e Maria Velho da Costa. Mas para o ensaísta é Agustina que ocupa "o espaço da maior escritora que Portugal já teve".

Esta é, aliás, uma certeza partilhada por Maria Teresa Horta que sublinha que "não é possível fazer a história da literatura portuguesa, neste momento, sem passar pela obra da Agustina Bessa-Luís".

"Considero que a Agustina é dos melhores escritores - não é escritora só - da literatura contemporânea portuguesa, mas também morre uma escritora e alguém que eu conheci", afirma.

Os elogios à obra da autora multiplicam-se com os seus pares a atribuírem-lhe a distinção de ter escrito "uma das obras mais importantes do século XX" e de ser "sem dúvida alguma a escritora mais importante", quando falamos de ficção, explica Lídia Jorge.

Quem também lamentou o desaparecimento da autora, um verdadeiro  “tesouro nacional”, foi o escritor Rui Zink para quem Agustina deixa na sua obra o “cheirinho do seu humor e da sua ironia”.

E na opinião de Mário de Carvalho, depois de Agustina ter "conseguido superar o desafio da qualidade e o desafio do reconhecimento, pelos seus semelhantes e pelos leitores", só resta um último desafio: o da "imortalidade". "E não estaremos cá para saber se ela o ganhará ou não", acrescenta.

Ainda na senda das reações ao desaparecimento da autora, destaque para António Preto, investigador de cinema que recordou o "despique criativo" entre Agustina e Manoel de Oliveira e Pílar del Rio, a companheira de José Saramago que o citou para se referir à escritora: "Remeto-me ao que disse José Saramago sobre o que ela escreveu: que se há em Portugal um escritor que participe da natureza do génio, é Agustina Bessa-Luís".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório