Meteorologia

  • 12 DEZEMBRO 2018
Tempo
10º
MIN 8º MÁX 12º

Edição

As façanhas da guerra por quem disparou primeiro tiro contra colonialismo

Alberto Chipande, o comandante a quem a História oficial atribui a autoria do "primeiro tiro" na guerra contra o colonialismo português, lança hoje a obra 'Como vivo a minha história', que narra a sua trajetória de combatente.

As façanhas da guerra por quem disparou primeiro tiro contra colonialismo
Notícias ao Minuto

14:52 - 20/09/18 por Lusa

Cultura Guerra Colonial

Alberto Chipande, 78 anos, conta, em entrevista divulgada hoje pelo diário Notícias, que o livro faz revelações sobre a guerra colonial (1964-1974), que manteve em segredo em cumprimento dos entendimentos entre a Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo) e o governo colonial português.

"A Comissão Mista entre a Frelimo e o Governo colonial português decidiu que tudo o que se passou durante os 10 anos de guerra, em Moçambique, não devia ser publicado, devia ser segredo", afirmou Chipande.

"Só 43 anos depois é que decidi escrever, preparei o material há quatro anos, os portugueses não respeitaram, os generais e os militares portugueses que combateram em Moçambique escreveram brochuras e publicaram livros sobre as façanhas da guerra em Moçambique", declarou.

Os generais portugueses, continuou, revelaram a sua versão dos contornos da "Operação Nó Górdio", lançada pelas autoridades coloniais para derrotar militarmente a guerrilha da Frelimo.

Entre os factos que considera de relevo no período de transição para a independência de Moçambique em 25 de junho de 1975, Alberto Chipande recorda que o último contingente de militares portugueses devia deixar o país de navio no momento em que fosse içada a bandeira do novo Estado.

"Eu tinha a missão de içar a bandeira de Moçambique e no porto de Maputo encontrava-se ancorado um navio português que transportaria o último contingente de soldados portugueses que haviam sido encarregues de assegurar a transição e a proclamação da independência nacional", lembra Alberto Chipande.

A História oficial em Moçambique atribui a Alberto Chipande o primeiro tiro da guerra contra o colonialismo português, no posto administrativo de Chai, distrito de Mueda, província de Cabo Delgado, norte de Moçambique, a 25 de setembro de 1964.

Depois da independência, Alberto Chipande assumiu o cargo de ministro da Defesa Nacional, até 2004.

Chipande é membro da Comissão Política da Frelimo e deputado pelo partido no poder à Assembleia da República.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório