Meteorologia

  • 18 JULHO 2018
Tempo
19º
MIN 18º MÁX 19º

Edição

Filme sobre Oficinas do Convento vence Lebre de Ferro

Um filme português sobre os 20 anos da associação Oficinas do Convento conquistou a Lebre de Ferro do Festival Internacional Filmes sobre Arte Portugal 2018, que encerrou no sábado à noite, em Lisboa.

Filme sobre Oficinas do Convento vence Lebre de Ferro
Notícias ao Minuto

13:05 - 02/07/18 por Lusa

Cultura Festival

De acordo com a direção do festival, o filme '20 anos de Oficinas num Convento' (2017), realizado por Pedro Grenha, Rodolfo Pimenta e Rui Cacilhas, apresenta uma leitura dos 20 anos de atividade daquela associação cultural de arte e comunicação, no Alentejo, que cruza artes tradicionais com novas linguagens contemporâneas.

A Lebre de Ouro do Festival foi entregue a 'Central Museum', de Jochen Kuhn (Alemanha, 2016), e a Lebre de Prata foi para 'In Art we Trust', de Benoít Rossel (Suíça 2017), sobre os rituais de passagem da "profissão" de artista.

Em 'Central Museum' - que venceu o primeiro prémio - o realizador Jochen Kuhn cria uma ficção sobre um homem que recebe um museu como herança de um tio, e, quando o visita, encontra um vigilante com quem acaba por ter uma longa conversa sobre a arte e sobre a vida.

Foram ainda atribuídas duas menções honrosas aos filmes 'O passageiro', de Luís Alves de Matos (Portugal, 2017), que procura vestígios de Fernando Pessoa deixados na sua biblioteca, e 'Who is Oda Jaune?', de Kamilla Pfeffer (Alemanha, 2016), sobre a vida e obra daquela pintora.

O Festival Internacional Filmes sobre Arte Portugal regressou a Lisboa para celebrar dez anos com mais de duas dezenas de produções e estreias internacionais, exibidas de 26 a 30 de junho.

Este ano, o festival decorreu na rua das Gaivotas 6, coprodutora, continuando a ser dirigido pela realizadora e artista Rajele Jain, responsável pela programação.

O júri foi composto pelo artista e cineasta Gil Maddalena, o artista de 'vídeomapping' e diretor do Festival dos Filmes de África, Eduardo Barbosa da Cunha, e a realizadora de filmes experimentais Maria Mire.

Em dez anos de existência, o festival apresentou 243 filmes sobre artistas e arte, apresentando mais de 500 artistas diferentes, de cerca de 150 realizadores nacionais e internacionais.

O objetivo do festival tem sido dar a conhecer a vida de artistas, quebrando as barreiras entre o realizador e o criador retratado, procurando dar a conhecer a essência da obra e do artista.

Entre as obras exibidas contaram-se 'Grigory Sokolov: A conversation that never was', da realizadora russa Nadezhda Zhdanova, que conseguiu fazer o primeiro filme sobre um dos mais enigmáticos pianistas do mundo, que há muitos anos se recusa a dar entrevistas e a fazer gravações em estúdio, sendo, contudo, uma presença regular em salas de concerto. É o caso da Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, e da Casa da Música, no Porto, onde atua quase todos os anos.

Em 'The Salamander's Complex' (França), Stéphane Manchematin e Serge Steyer retrataram a imagem do reservado artista visual Patrick Neu, revelando assim, para o espectador, o seu mundo de trabalhos frágeis e quase imateriais, trabalhos que podem facilmente desaparecer.

Criado em 2008, o Festival Internacional Filmes sobre Arte Portugal teve inicialmente o apoio do Festival Temps D'Images e, desde 2015, é produzido de forma independente pela Associação Cultural Vipulamati: Ample Intelligence.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório

Os cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador.

Ao utilizar o nosso website, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.