Putin altera chefias militares perante avanços de Kyiv, revela relatório

As forças ucranianas continuam a reconquistar território na zona de Kherson, no sul da Ucrânia, enquanto o Presidente russo, Vladimir Putin, altera chefias militares no terreno, apontaram hoje os analistas de um 'think-tank' (grupo de reflexão) norte-americano.

© Reuters

Mundo Guerra na Ucrânia 04/10/22 POR Lusa

A análise é do Instituto para o Estudo da Guerra (ISW, na sigla em inglês) que diariamente divulga relatórios sobre a invasão russa em curso no território ucraniano.

PUB

As forças ucranianas estão a "obter ganhos substanciais" nos arredores de Lyman, a cidade recentemente reconquistada às forças russas, e a norte de Kherson, nas últimas 48 horas, de acordo com imagens geolocalizadas obtidas pelo ISW.

No relatório do grupo de reflexão pode ler-se que a contraofensiva ucraniana fez "avanços significativos", ao mesmo tempo que "a elite militar russa está a degradar-se" e a mostrar evidentes sinais de descoordenação, mostrando-se incapaz de travar as incursões das forças comandadas por Kyiv.

Para os analistas deste 'think-tank' com sede em Washington, Putin está a imputar a responsabilidade exclusiva por estes fracassos militares russos às suas chefias no terreno, que tem vindo a substituir.

"A agência russa RBK, citando fontes do regime russo, informou em 03 de outubro que o tenente-general Roman Berdnikov substituirá o coronel-general Alexander Zhuravlev como comandante do Distrito Militar Ocidental", informa o relatório do ISW.

Os analistas consideram que este distrito militar russo estará sem uma chefia no terreno, já que "Zhuravlev não é visto há algum tempo", referindo que Putin se prepara para alterar toda a cadeia de comando na região de Kharkiv (leste), onde se intensificam os ataques ucranianos.

O anúncio das substituições nesta altura, após fortes perdas militares russas, pode ser a estratégia de Putin para atribuir culpas às chefias cessantes, protegendo o prestígio dos novos comandantes.

"A nomeação de Berdnikov pode ter a intenção de criar uma manobra de diversão e de redirecionar a crescente insatisfação" dentro da cadeia de comando russa, concluem os analistas do ISW.

A ofensiva militar lançada a 24 de fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de mais de 13 milhões de pessoas -- mais de seis milhões de deslocados internos e mais de 7,4 milhões para os países europeus -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A invasão russa -- justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de "desnazificar" e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia - foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções políticas e económicas.

Leia Também: Reino Unido prolonga envio de sistema de defesa antimísseis para Kyiv

PARTILHE ESTA NOTÍCIA

RECOMENDADOS

desporto Mundial'2022 Há 10 Horas

Cristiano Ronaldo discutiu com Fernando Santos e terá ameaçado sair

fama Gonçalo Ramos Há 8 Horas

Revelado vídeo íntimo de Gonçalo Ramos. Famosos e fãs defendem o jogador

fama Morangos Com Açúcar Há 9 Horas

Recorde 14 atores dos 'Morangos com Açúcar' que já morreram

lifestyle Cancro colorretal Há 23 Horas

Cancro colorretal. Seis sinais que pode estar a ignorar (mas não devia)

lifestyle Signos Há 23 Horas

É para hoje? Os signos que demoram mais a responder a mensagens

desporto Mundial'2022 Há 4 Horas

Cristiano Ronaldo quebra o silêncio e fala de "forças externas"

lifestyle Dicas domésticas Há 22 Horas

Depois de saber isto, já não vai deitar as cascas das pipas fora

pais Chuva Há 18 Horas

Mau tempo. Sapadores de Lisboa pedem às pessoas para não saírem de casa

pais Mau tempo Há 18 Horas

Chuva intensa provoca grandes inundações em Lisboa. Eis as imagens

desporto Mundial'2022 Há 21 Horas

Nuno Mendes e Danilo deixam estágio da seleção e regressam a Paris