Meteorologia

  • 24 NOVEMBRO 2020
Tempo
13º
MIN 9º MÁX 18º

Edição

Governo quer mais pessoal nos lares. Como concorrer ao programa do IEFP

A ministra admitiu que faltam funcionários nos lares, lembrando que há um programa para colmatar essa falha, que está a ser desenvolvido pelo IEFP, e foi prolongado até ao final do ano.

Governo quer mais pessoal nos lares. Como concorrer ao programa do IEFP
Notícias ao Minuto

08:45 - 17/08/20 por Notícias Ao Minuto

Economia IEFP

O Governo quer reforçar os recursos humanos nos lares por causa da pandemia. A ministra do Trabalho e da Segurança Social, Ana Mendes Godinho, disse que o objetivo é colocar 15 mil pessoas no setor social até ao final do ano, destacando um programa do Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) criado para o efeito. 

Até agora, "foram aprovadas 5.800 pessoas para instituições do setor social e o objetivo é colocar cerca de 15 mil até ao fim de 2020", disse Ana Mendes Godinho, em entrevista ao Expresso

A ministra admitiu que faltam funcionários nos lares, lembrando que há um programa para colmatar essa falha, que está a ser desenvolvido pelo IEFP.

No início de julho, o Governo anunciou, aliás, o prolongamento até ao final do ano deste programa, denominado por Medida de Apoio ao Reforço de Emergência de Equipamentos Sociais e de Saúde, para dar resposta a várias entidades, como lares e hospitais, durante a situação de pandemia da Covid-19, através da "colocação de pessoas em projetos temporários de trabalho socialmente útil".

Como funcionam os apoios?

Para os destinatários:

  • Bolsa mensal, nos seguintes termos: para os desempregados subsidiados, uma bolsa mensal complementar de montante correspondente ao valor Indexante dos Apoios Sociais (IAS) (€438,81); restantes desempregados ou trabalhadores, uma bolsa mensal de montante correspondente ao valor de 1,5 vezes o valor do IAS (€658,22);
  • Alimentação, referente a cada dia de atividade;
  • Despesas de transporte até ao valor de 10% do IAS (€43,88), mediante comprovativo da despesa (caso o transporte entre a residência habitual e o local da atividade, não seja assegurado pela entidade);
  • Seguro que cubra os riscos que possam ocorrer durante e por causa do exercício das atividades integradas no projeto;
  • Equipamento de proteção individual adequado à realização da atividade prevista no âmbito do projeto.

Para as entidades promotoras

  • As entidades asseguram o pagamento da bolsa a que os destinatários têm direito, competindo ao IEFP, assegurar a comparticipação de 90% desse montante;
  • Nas situações em que a entidade não possa assegurar o transporte do destinatário, o subsídio de transporte é comparticipado integralmente pelo IEFP, e é pago à entidade no momento do encerramento de contas do projeto;
  • As despesas relativas à refeição e seguros, são inteiramente suportadas pela entidade promotora.

Como se candidatar? 

Para aceder a esta nova medida, as entidades devem preencher o formulário disponível no portal do IEFP, através deste link, na coluna lateral direita em 'documentação relacionada'enviá-lo por correio eletrónico para Serviço de Emprego correspondente ao estabelecimento (pode consultar aqui) - que surge automaticamente ao concluir o preenchimento do formulário -, e aguardar resposta do IEFP. De acordo com a tutela, a resposta será enviada no prazo máximo de dois dias úteis.

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório