Meteorologia

  • 02 JUNHO 2020
Tempo
23º
MIN 18º MÁX 26º

Edição

"Candidatura de Seguro levou-o a adotar tática do queixinhas"

O antigo ministro socialista Correia de Campos decidiu pronunciar-se sobre a situação que o PS atravessa porque não gosta de ver o seu partido ?fazer má figura para gáudio do Governo?. Num artigo que hoje assina no jornal Público critica a candidatura de Seguro, que classifica de ?festival quotidiano de banalidades e truísmos, e ideias soltas? e cujo protagonista, escreve, decidiu ?adotar a tática do ?queixinhas??.

"Candidatura de Seguro levou-o a adotar tática do queixinhas"

Sob o título ‘A miniatura’, o socialista Correia de Campos escreve hoje, como habitualmente, no jornal Público, desta feita sobre o PS, designadamente acerca da "candidatura de António José Seguro para responder ao repto interno lançado por Costa”.

“Não gosto de ver o meu partido a fazer má figura, para gáudio do Governo”, pelo que, “por dever de cidadania devo ajudar criticamente esta candidatura [a de Seguro] a melhorar o seu desempenho”.

E como? Primeiro pondo um ponto final a “banalidades e truísmos” como, destaca, “afirmar que a solução do crescimento e emprego está na promoção da indústria. Ninguém discorda, mas poucos indicam o caminho para lá chegar”. Em segundo, fazer o equilíbrio entre o “protagonismo e assertividade”, evitando situações como “a visita ao governador do Banco de Portugal” ou ser “recebido com honras de governante pelo ministro da Administração Interna”.

O antigo ministro da Saúde prossegue não poupando farpas a Seguro, considerando ainda que o atual líder 'rosa' resolveu "adotar a tática do 'queixinhas'".

Numa espécie de terceiro ponto, Correia de Campos contesta as “promessas e indecisão” da candidatura de Seguro, nomeadamente no que diz respeito aos pensionistas que “não pagarão nenhuma taxa de sustentabilidade”. “A mim dava-me jeito, mas parece-me fartura a mais. Com este ou outro dispositivo, onde vai ele [Seguro] conseguir o equilíbrio orçamental exigido pelo semestre europeu que todos aprovámos?”, questiona.

“A candidatura de António José Seguro levou-o”, conclui o socialista, “a adotar desde o início uma tática do ‘queixinhas’. Queixa-se de ser desafiado quando tinha (mal) ganho duas eleições, esquecendo os municípios que perdeu (...) e confundindo um ganho modesto nas europeias com uma grandiosa vitória”, e “queixa-se de ser forçado a apresentar uma moção às diretas, quando foi ele que desenhou todo o processo para fustigar Costa e queimar terra para que não cresça semente”.

Face a este “festival quotidiano de banalidades e truísmos, ideias soltas em sementeira dispersa, confusão de protagonismo com assertividade, promessas de indecisão onde deveria haver ação, generosidade extemporânea e, como não podia deixar de ser, vitimização”, a candidatura de Seguro, remata Correia de Campos, “não contribui para levantar a moral do país e não ajuda o PS”, arriscando transformar-se assim no “candidato em miniatura de primeiro-ministro”.

Leia aqui o artigo completo.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório