Meteorologia

  • 30 NOVEMBRO 2020
Tempo
14º
MIN 10º MÁX 18º

Edição

"Silêncio é assustador". JP quer que Marcelo se pronuncie sobre eutanásia

A Assembleia da República chumbou esta sexta-feira o referendo sobre a morte medicamente assistida apresentado através de uma iniciativa popular com mais de 95 mil assinaturas.

"Silêncio é assustador". JP quer que Marcelo se pronuncie sobre eutanásia

A Juventude Popular veio a público, este sábado, apelar a uma intervenção do Presidente da República sobre a eutanásia. Para o presidente da estrutura, Francisco Mota, após o chumbo do referendo, "o regime não silenciou apenas 95 mil portugueses que subscreveram a iniciativa popular para um referendo, silenciaram um País e impuseram a Portugal uma agenda".

Tendo isso em conta, para o líder da JP, "é obrigatório não confinar o debate apenas na Assembleia da República", considerando que "o silêncio do Presidente da República é assustador" e que é fundamental "que não tenha a mesma atitude que os deputados, que não seja hipócrita, desonesto e que não traia o povo que o elegeu. Espera-se seriedade e não tacticismo eleitoral".

Em comunicado enviado às redações, o jovem centrista chega mesmo a questionar se esse silêncio não será "mais um arranjinho do PS e PSD a pensar nas eleições presidenciais". "O povo português tem o direito de saber o que pensa fazer o Presidente da República com os diplomas e a sua inconstitucionalidade e qual a sua opinião sobre o bloqueio democrático ao referendo", refere Francisco Mota.

"Feriram de morte a democracia, Portugal está de luto e espero que o Presidente da República não seja cúmplice", remata.

O referendo à morte medicamente assistida, proposto por uma iniciativa popular dinamizada pela Federação Portuguesa pela Vida e que reuniu mais de 95 mil assinaturas, foi esta sexta-feira chumbado na Assembleia da República

PS, BE, PCPPEV, PAN, nove deputados do PSD (entre os quais Rui Rio) e as deputadas não inscritas Joacine Katar Moreira e Cristina Rodrigues votaram contra o referendo. Já Iniciativa Liberal, CDS e PSD votaram a favor. O deputado único do Chega esteve ausente na votação.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório