Meteorologia

  • 07 JUNHO 2020
Tempo
25º
MIN 17º MÁX 25º

Edição

José Manuel Rodrigues lamenta "défice de conhecimento" sobre autonomias

Os portugueses do território continental "têm de superar" o seu "défice de conhecimento" sobre as regiões autónomas e os respetivos órgãos de governo próprio, considera o presidente da Assembleia Legislativa da Madeira.

José Manuel Rodrigues lamenta "défice de conhecimento" sobre autonomias
Notícias ao Minuto

11:52 - 18/01/20 por Lusa

Política Madeira

"Acho que há um défice de conhecimento dos portugueses do continente em relação àquilo que são as regiões autónomas e as autonomias e os órgãos de governo próprio", declarou o centrista José Manuel Rodrigues, em entrevista à agência Lusa nas vésperas de o Governo Regional de coligação PSD/CDS-PP fazer 100 dias (em 22 de janeiro).

Para o novo responsável do parlamento madeirense, órgão legislativo composto por 47 deputados (21 do PSD, três do CDS, 19 do PS, três do JPP e um do PCP), a situação "tem de ser superada nos próximos anos".

"A Madeira e os Açores têm de fazer o esforço no sentido de se afirmarem na nação portuguesa", sublinhou.

José Manuel Rodrigues, eleito em 15 de outubro passado, argumentou que "Portugal sem a Madeira e os Açores seria um retângulo peninsular com, obviamente, alguma importância estratégica, mas não seria esta nação com 900 anos que deu novos mundos ao mundo".

No seu entender, "ainda hoje é através das ilhas" que Portugal "tem a sua projeção internacional e a sua geoestratégica mais valorizada" - nos próximos anos, exemplificou, o país vai ter "uma das maiores plataformas marítimas do mundo devido à Madeira e aos Açores".

"Acho que isso tem sido pouco valorizado no seio da nação portuguesa", sublinhou.

José Manuel Rodrigues espera que as comemorações oficiais do 10 de Junho - Dia de Portugal, que este ano vão ter lugar na Madeira, com a presença do Presidente da República, constituam "uma oportunidade para que os portugueses passem a perceber o que é esta realidade dos portugueses das ilhas e em que medida as ilhas acrescentam muito à unidade nacional e à expansão do país na cena internacional".

O presidente da assembleia admitiu, contudo, que também há madeirenses que não sabem onde fica o parlamento da sua região.

"Gostaria que cada madeirense soubesse onde estão os seus deputados, o que fazem e em que medida as leis que produzem têm efeito na vida das pessoas", enfatizou, vincando que é a atividade parlamentar que "consubstancia a autonomia".

José Manuel Rodrigues defendeu ainda uma revisão do Estatuto Político-Administrativo e da Constituição para que "os parlamentos regionais possam ter mais poderes e possam adequar as leis às suas próprias realidades".

Também a própria assembleia legislativa, considerou, "tem de dar um salto qualitativo e quantitativo", mas desde o início da atual legislatura os debates nos plenários já "têm sido mais elevados, com maior respeito entre as diversas bancadas parlamentares".

Na sua opinião, o seu antecessor, o social-democrata Tranquada Gomes, "teve um papel mais difícil", porque teve de lidar "com situações de alguma conflitualidade e até exuberância de alguns deputados", o que não prevê que aconteça na presente legislatura. Por isso, deixou um elogio a Tranquada Gomes por ter "normalizado a vida parlamentar".

Na atual gestão, acrescentou, há "uma preocupação de credibilizar o parlamento, a própria autonomia e o sistema de autogoverno".

A abertura do salão nobre do edifício da Assembleia da Madeira, que assinala 500 anos, a várias iniciativas culturais e a programação da iniciativa "Parlamento Com Causas", com conferências ao longo de quatro anos e temas transversais, como as alterações climáticas e o inverno demográfico, foram projetos lançados com o objetivo de "aproximar os eleitos dos eleitores".

Há também uma aposta nas redes sociais "para que as iniciativas do parlamento nas mais diversas áreas sejam conhecidas junto dos cidadãos e da sociedade madeirense".

"Um parlamento mais perto das pessoas" e "que fizesse da Cultura também uma das suas bandeiras" definem precisamente a marca que gostaria de deixar no cargo.

O ex-líder do CDS/Madeira, função que exerceu durante 18 anos (1997-2015), referiu, contudo, que nunca pensou em objetivos de longo prazo: "Acho que na vida política, sendo um processo dinâmico, temos de pensar no curto e médio prazo e nunca fazer grandes planos, porque normalmente isso falha".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório