Meteorologia

  • 26 MAIO 2018
Tempo
20º
MIN 19º MÁX 21º

Edição

EUA e Rússia "andam a brincar às guerras virtuais"

O ensaísta Eduardo Lourenço defendeu hoje que os presidentes das duas maiores potências do mundo, Estados Unidos e Rússia, "estão a brincar às guerras virtuais", lembrando a ideia de que "os lobos não se comem uns aos outros".

EUA e Rússia "andam a brincar às guerras virtuais"
Notícias ao Minuto

16:45 - 07/03/18 por Lusa

País Eduardo Lourenço

Questionado pelos jornalistas no final de uma conferência sobre os desafios da Europa, organizada pela Caixa Geral de Depósitos (CGD), Eduardo Lourenço defendeu também que a Europa, apesar de tudo, continua a ser um "continente pacífico" e onde "não existe o perigo de uma ameaça populista consistente".

"[A Europa] provavelmente esteve sempre [em perigo], não é uma coisa nova. Ameaças sempre houve ao longo da história europeia. Neste momento, não há uma ameaça particular, não há guerra que se anuncie no mundo a não ser vinda de outro continente que não a Europa", afirmou.

Para Eduardo Lourenço, tudo não passa de "ameaças virtuais".

"Andam os dois países [EUA e Rússia] a brincar às guerras, embora sejam os dois países mais importantes do planeta neste momento. A Europa é neste momento um continente pacífico e espero que assim se mantenha por muito tempo", sustentou.

Para o ensaísta português, os presidentes dos Estados Unidos, Donald Trump, e da Rússia, Vladimir Putin, persistem, por isso, em brincar com "um brinquedo explosivo", lembrando que a história da humanidade é a de "uma luta contra o interior dela própria".

"Os lobos não se comem uns aos outros. Tudo aquilo são jogadas políticas no sentido mais trivial da palavra. Aqueles que não têm essas forças imitam-nos à sua maneira. O problema é que essas pessoas, de repente, se tornam populares, mas é um problema que a América terá de resolver com ela própria. Os europeus já deram para a América, que é filha da Europa", referiu.

Para Eduardo Lourenço, os populismos norte-americano e russo não podem influenciar a Europa.

"Neste momento não há uma ameaça populista consistente na Europa. Há uma leve tentativa de ressurgimento daquilo que já conhecemos nos anos 1930 e 1940. Mas não vejo uma ameaça séria em nenhum país europeu", justificou.

Questionado ainda sobre um eventual fim do Estado Social na Europa, o ensaísta português desdramatizou.

"O Estado Social é uma conquista da própria História, não só da União Europeia, mas mundial. Não vejo que haja grandes modificações numa ideia que já vem praticamente desde a Grécia até hoje", sustentou.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório

Os cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador.

Ao utilizar o nosso website, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.