Meteorologia

  • 24 MAIO 2018
Tempo
18º
MIN 17º MÁX 19º

Edição

Tribunal: Lutador de MMA português morreu devido a 41 golpes na cabeça

João 'Rafeiro' Carvalho morreu depois de um combate, em abril de 2016, aos 28 anos de idade.

Tribunal: Lutador de MMA português morreu devido a 41 golpes na cabeça
Notícias ao Minuto

22:18 - 08/02/18 por Notícias Ao Minuto com Lusa

País Irlanda

Foram reveladas agora as conclusões de um inquérito judicial, levado a cabo em Dublin, sobre a causa oficial da morte do praticante de Artes Marciais Mistas (MMA) português João Carvalho em 2016, dois dias após um combate na capital irlandesa.

'Rafeiro', como era conhecido João Carvalho, morreu devido a complicações provocadas por 41 golpes na cabeça, segundo avança a estação irlandesa RTE. A sua morte foi, desta forma, determinada como uma sequência de eventos que não envolve dolo.

O inquérito, sublinhe-se, é um procedimento normal aplicado a todas as mortes súbitas e sem causa natural. Embora não tenha sido determinada responsabilidade aos organizadores ou autoridades,  é aconselhada pelo tribunal a instauração de um organismo nacional para reger as Artes Marciais Mistas, assim como a adoção de regras de segurança similares às do boxe no curto-prazo.

João Carvalho morreu em 11 de abril de 2016 num hospital de Dublin, onde deu entrada em estado crítico depois de um combate na capital irlandesa, o primeiro internacional da carreira do atleta de 28 anos. Uma autópsia ao corpo estabeleceu como causa da morte uma "hemorragia subdural aguda" causada por uma pancada forte na cabeça.

Imagens do combate mostram o português a sofrer vários golpes na cabeça enquanto estava no chão.

O combate Total Extreme Fight, disputado no National Boxing Stadium, acabou com a vitória do irlandês Charlie Ward por KO técnico, mas cerca de 20 minutos depois do final do combate João Carvalho sentiu-se mal.

A Nobrega Team, a equipa com a qual treinava, garantiu que "foram cumpridas todas as regras de segurança" e que "a arbitragem seguiu todos os procedimentos corretos e habituais".

A Autoridade de Segurança e Saúde (HSA, na sigla inglesa) realizou um inquérito preliminar às circunstâncias do acidente, mas não encontrou motivos para responsabilizar qualquer entidade pelo sucedido.

Uma investigação da polícia irlandesa Gardaí também não encontrou indícios de crime, pelo que o ministério público irlandês decidiu não fazer uma acusação criminal contra Charlie Gard.

[Notícia atualizada às 22h32]

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório

Os cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador.

Ao utilizar o nosso website, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.