Meteorologia

  • 23 ABRIL 2024
Tempo
17º
MIN 13º MÁX 24º

MP investiga grupo neonazi por suspeitas de crimes de ódio

Em causa está o Grupo 1143, que tem organizado manifestações contra a imigração.

MP investiga grupo neonazi por suspeitas de crimes de ódio
Notícias ao Minuto

18:12 - 02/04/24 por Notícias ao Minuto com Lusa

País Ministério Público

O Ministério Público instaurou um inquérito ao Grupo 1143, que tem organizado manifestações contra a imigração, devido a publicação de cariz xenófobo partilhadas nas redes sociais, estando em causa suspeitas de crimes de ódio. A informação foi avançada pelo Expresso e confirmada ao Notícias ao Minuto pela Procuradoria-Geral da República (PGR).

"Confirma-se a instauração de inquérito, o qual é dirigido pelo Ministério Público do DIAP de Lisboa", refere uma resposta enviada ao Notícias ao Minuto pelo gabinete de imprensa da PGR.

De acordo com o semanário Expresso, em causa estão publicações do grupo, liderado pelo militante de extrema-direita Mário Machado, que têm cariz xenófobo e que visam, sobretudo, imigrantes muçulmanos e judaicos, a comunidade LGBTQ+ e militantes do Partido Comunista Português.

Recorde-se que o Grupo 1143 foi o responsável pela organização de uma marcha anti-Islão, em fevereiro, no Largo de Camões, em Lisboa. Inicialmente, o grupo queria realizar aquela manifestação na Mouraria e no Martim Moniz, mas a mesma foi proibida pela Câmara Municipal de Lisboa, após um parecer da Polícia de Segurança Pública (PSP) alertar para a perturbação da tranquilidade pública. A decisão foi confirmada pelo Tribunal Administrativo do Círculo de Lisboa, o que levou à alteração do local da marcha.

Já hoje, foi conhecido que o Grupo1143 convocou uma nova manifestação, com o nome "Menos Imigração, Mais Habitação", para a Praça D. João I, no Porto, no sábado.

À Lusa, fonte da PSP, que autorizou a manifestação, disse que vão decorreu dois protestos - um contra a imigração e outra antifascista - a cerca de 350 metros de distância na baixa do Porto.

Também a Câmara do Porto afirmou que foi solicitada avaliação policial ao Comando Metropolitano da PSP do Porto, como acontece em todas as manifestações. O parecer policial não é contrário à realização das manifestações indicadas", acrescentou, destacando que o direito de manifestação "não carece de autorização" do presidente da autarquia e que a avaliação de segurança é "da exclusividade competência da PSP".

Na rede social X (antigo Twitter), o grupo, que tem como porta-voz o militante de extrema-direita Mário Machado, convoca "todos os patriotas a marcarem presença" no Porto para mostrarem "oposição à invasão de imigrantes, que é a principal razão para o aumento brutal do preço da habitação".

Noutra publicação na mesma rede social, o grupo de extrema-direita afirma que "os Fascistas de Abril querem proibir os patriotas de se manifestarem no Porto".

Por sua vez, a associação Habitação Hoje convocou também para sábado uma manifestação "Contra o Fascismo, Mais e Melhor Habitação".

Numa tentativa de impedir a realização da manifestação convocada pelo grupo 1143, várias organizações envolvidas na "manifestação contra o fascismo" lançaram uma carta aberta endereçada ao Presidente da República, presidente da Câmara do Porto, comandante da PSP do Porto e outros responsáveis da área da justiça.

Consultada pela Lusa, a missiva, semelhante à divulgada em janeiro na sequência da manifestação "contra a islamização da Europa" no Martim Moniz, em Lisboa, apela que a se trave "a saída desta manifestação que (...) se constitui como incitamento ao ódio e à violência e não mero exercício da liberdade de expressão".

Leia Também: Manifestações anti-imigração e antifascista a 350 m de distância no Porto

Recomendados para si

;
Campo obrigatório