Meteorologia

  • 20 ABRIL 2024
Tempo
19º
MIN 15º MÁX 23º

Trabalhadores da EMEL recebidos por Moedas. Há nova reunião a 14 de março

Os trabalhadores da EMEL voltaram hoje a concentrar-se em plenário junto à Câmara de Lisboa para reivindicar uma reunião com a autarquia e a empresa por melhores condições laborais, tendo sido recebidos por Carlos Moedas, disse fonte sindical.

Trabalhadores da EMEL recebidos por Moedas. Há nova reunião a 14 de março
Notícias ao Minuto

17:49 - 27/02/24 por Lusa

País Emel

Em declarações à Lusa, Orlando Gonçalves, do Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal (CESP), explicou que, uma semana depois do último plenário em frente à Câmara de Lisboa, que juntou mais de uma centena de trabalhadores, hoje voltaram a juntar-se em número idêntico para exigirem que sejam cumpridos os compromissos já assumidos pela empresa em 2023 e não implementados.

"Desta vez, acabámos mesmo por ser recebidos pelo presidente [da Câmara de Lisboa] Carlos Moedas que agendou uma nova reunião connosco para 14 de março", disse Orlando Gonçalves, reconhecendo alguma estranheza por serem necessários 15 dias até novo encontro.

Hoje, de acordo com o sindicalista, a comitiva conseguiu "expor a situação relativamente ao caderno reivindicativo e aos anseios e descontentamento dos trabalhadores".

Segundo explicou, em causa está a negociação do caderno reivindicativo para 2024 dos trabalhadores da Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa (EMEL), um processo que já se arrasta há três meses e que o aumento proposto aos trabalhadores foi de 52,64 euros, de acordo com a função pública.

Orlando Gonçalves avançou que a Câmara Municipal de Lisboa tem uma "responsabilidade acrescida", apesar de a EMEL (detida a 100% pela autarquia) ter autonomia.

"Enquanto acionista, [a CML] pode dar indicações para a administração", disse o sindicalista, salientando haver uma matéria, além dos salários, que os trabalhadores colocam em cima da mesa e não abdicam que é o "compromisso de implementação das diuturnidades acordado no processo do ano passado e que querem que seja cumprida a palavra".

Segundo o sindicalista explicou à Lusa no plenário da semana passada, o facto de os trabalhadores da EMEL terem um Acordo de Empresa "não tem de ser aplicado o aumento da função pública", considerando igualmente que a proposta "está longe daquilo que os trabalhadores exigem e também do que a empresa também pode [dar]".

"Perante a irredutibilidade de avançar com mais, os trabalhadores decidiram avançar para a porta de Carlos Moedas" para que "leve a cabo o que anda a prometer", disse.

Segundo o sindicalista, tem sido utilizado o argumento que a tutela tem de se pronunciar sobre as matérias laborais, em relação à negociação do acordo de empresa e aos aumentos salariais dos trabalhadores, contrariando o que os responsáveis da Câmara "invocaram ao longo dos tempos".

"Dia 14 temos reunião e eu disse a Carlos Moedas que não gostava de vir para a sua porta, mas que os trabalhadores estão determinados em continuar a sua luta se não virem as suas reivindicações atendidas", sublinhou.

Leia Também: Carlos Moedas surpreende Ricardo Araújo Pereira com presente

Recomendados para si

;
Campo obrigatório