Meteorologia

  • 25 JUNHO 2024
Tempo
22º
MIN 17º MÁX 23º

Terminou a reunião do Conselho de Estado para eventual dissolução da AR

A reunião do Conselho de Estado convocada pelo Presidência da República para uma eventual dissolução do parlamento, após a demissão do primeiro-ministro, terminou hoje pelas 19h30, ao fim de cerca de quatro horas.

Terminou a reunião do Conselho de Estado para eventual dissolução da AR
Notícias ao Minuto

19:36 - 09/11/23 por Lusa

País Palácio de Belém

Esta reunião, que começou pelas 15:20, contou com a participação de todos os conselheiros de Estado, três dos quais, Lídia Jorge, António Damásio e o presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque, por videoconferência.

O Conselho de Estado foi convocado "ao abrigo do artigo 145.º, alínea a) e da alínea e), segunda parte" da Constituição -- nos termos das quais compete a este órgão de consulta "pronunciar-se sobre a dissolução da Assembleia da República", mas também, "em geral, aconselhar o Presidente da República no exercício das suas funções".

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, comunicou que "falará ao país imediatamente à reunião do Conselho de Estado" para anunciar a sua decisão face à demissão do primeiro-ministro, António Costa, na terça-feira.

Na quarta-feira, o chefe de Estado recebeu no Palácio de Belém os oito partidos com assento parlamentar, a maior parte dos quais se manifestou a favor de uma dissolução do parlamento e da convocação de eleições legislativas antecipadas.

No entanto, o PS, que tem maioria absoluta de deputados, propôs ao Presidente da República a nomeação de outro primeiro-ministro para chefiar um novo Governo apoiado pela atual maioria.

António Costa apresentou na terça-feira a sua demissão, que o Presidente da República aceitou, depois de buscas em vários gabinetes do Governo, visando também o seu chefe de gabinete, realizadas no âmbito de investigações sobre projetos de lítio e hidrogénio e de o Ministério Público ter anunciado que é alvo de inquérito autónomo no Supremo Tribunal de Justiça.

O atual Governo, que tomou posse há cerca de ano e meio, em 30 de março de 2022, resultou de uma dissolução do parlamento, a primeira decretada por Marcelo Rebelo de Sousa, no início do seu segundo mandato presidencial, na sequência do chumbo da proposta de Orçamento do Estado para 2022 na generalidade.

No início desta legislatura, após a vitória do PS nas legislativas antecipadas de 30 de janeiro de 2022, o Presidente da República avisou que uma eventual saída de António Costa levaria à dissolução do parlamento, o que mais tarde reiterou, afastando a formação de outro executivo com a mesma maioria.

Ao longo deste ano e meio, especulou-se sobre a possibilidade de António Costa querer sair a meio da legislatura para ocupar um cargo europeu, cenário que o próprio afastou.

Esta foi a 32.ª reunião do órgão político de consulta do Presidente da República realizada nos mandatos de Marcelo Rebelo de Sousa.

Presidido pelo chefe de Estado, este órgão de consulta tem como membros por inerência os titulares dos cargos de presidente da Assembleia da República, primeiro-ministro, presidente do Tribunal Constitucional, provedor de Justiça, presidentes dos governos regionais e antigos Presidentes da República.

Nos termos da Constituição, integra ainda cinco cidadãos designados pelo chefe de Estado -- António Lobo Xavier, Luís Marques Mendes, Leonor Beleza, António Damásio e Lídia Jorge -- e cinco eleitos pela Assembleia da República -- que atualmente são Carlos César, Manuel Alegre, António Sampaio da Nóvoa, Francisco Pinto Balsemão e Miguel Cadilhe.

[Notícia atualizada às 19h57]

Leia Também: Dissolução à vista? Reunião do Conselho de Estado começou pelas 15h20

Recomendados para si

;
Campo obrigatório