Meteorologia

  • 02 MARçO 2024
Tempo
14º
MIN 10º MÁX 14º

Madeira. Sousa Real diz que democracia "está viva" e saúda Mónica Freitas

A líder do PAN considerou que os resultados das eleições regionais de domingo na Madeira mostram que a democracia na região autónoma "está viva" e diz-se orgulhosa com a eleição da única candidata cabeça de lista.

Madeira. Sousa Real diz que democracia "está viva" e saúda Mónica Freitas
Notícias ao Minuto

06:55 - 25/09/23 por Lusa

Política PAN

"A democracia na região autónoma demonstrou hoje que está viva, que foi mais participada, e isso é de facto muito importante. E não queremos deixar de saudar todas as pessoas que hoje [domingo] participaram neste ato eleitoral, que foram às urnas, que deram o seu contributo para a democracia e que, acima de tudo, nos próximos quatro anos, poderão contar também com vozes diferentes no parlamento regional da Madeira", afirmou Inês Sousa Real.

A deputada e porta-voz do Pessoas-Animais-Natureza (PAN) reagia em declarações à agência Lusa ao resultado das eleições regionais na Madeira, nas quais a coligação PSD/CDS-PP falhou a maioria absoluta e a candidata do partido, Mónica Freitas, conseguiu o regresso ao parlamento regional.

Para Inês Sousa Real, "é sempre positivo em democracia que não haja maioria absoluta", apontando por exemplo o caso no continente, com a atual maioria absoluta de António Costa, e admitiu ser "uma líder orgulhosa" com o resultado do partido: "Nós queremos que efetivamente o PAN seja um projeto de futuro, um projeto jovem, fresco e sem dúvida absoluta nenhuma que o conseguimos com esta candidatura".

"Temos a única mulher que era cabeça de lista a ser eleita, derrubámos hoje mais uma pedra no muro da desigualdade e, por isso, estamos de olhos postos no futuro", frisou, apontando o exemplo que o partido está "a deixar para tantas meninas e mulheres que podem e devem também chegar a estes cargos de poder".

A líder do PAN salientou que, depois de ter escolhido a candidata Mónica Freitas, "mais do que uma vitória do nacional, é, sem dúvida, uma vitória de um projeto comum, transversal, quer à região autónoma da Madeira, quer ao PAN nacional".

"Porque somos efetivamente um só, uma só equipa, e estamos com muito orgulho de facto no trabalho que a nossa equipa aqui no terreno fez de proximidade, de forma construtiva, de forma elevada", acrescentou.

"Foi uma lufada de ar fresco e foi de facto a revelação destas eleições, e é com orgulho que vimos também o PAN regressar à Assembleia Regional da Madeira, onde elegemos precisamente no ano em que fundámos o nosso partido e que foi reconhecido pelo Tribunal Constitucional", frisou.

A porta-voz enunciou a agenda do partido para o mandato regional, como seja "a preocupação com a habitação", o "combate à crise climática que afeta em particular a região", a mobilidade sustentável, e "a proteção animal que não ficará certamente para trás pela voz de Mónica Freitas".

Afirmando que esta "é uma noite de festa" na região autónoma, Inês Sousa Real disse que "em breve" terá de voltar ao arquipélago "para plantar uma árvore por cada voto" dos 3.046 que alcançaram.

"Porque efetivamente queremos que com o nosso trabalho e também com estas árvores que vamos plantar, não apenas de forma simbólica, mas também literalmente, possamos a médio e longo prazo construir um futuro melhor, mais sustentável e mais justo, quer social quer ambientalmente para as gerações futuras", atirou.

De acordo com os resultados oficiais provisórios divulgados pela Secretaria-Geral do Ministério da Administração Interna, o PAN obteve 2,25% dos votos.

Inicialmente, com a presença de Inês Sousa Real, o PAN apresentou como cabeça de lista o presidente da comissão política do partido na Madeira, Joaquim Sousa, mas alterou a sua decisão alegando "uma incompatibilidade".

Joaquim Sousa descreveu a situação como uma "golpada" e interpôs uma ação no Tribunal Administrativo e Fiscal do Funchal, que, segundo o partido, "foi considerada improcedente".

Nascida em novembro de 1995, licenciada em Serviço Social e em Igualdade de Género, com o curso de técnica de apoio à vítima, Mónica Freitas não tem qualquer experiência em atos eleitorais.

Esta é a quarta vez que o partido concorre a eleições legislativas regionais na Madeira, apresentando medidas como a isenção de taxas na compra de casa e vacinas gratuitas para animais.

Nas primeiras eleições em que concorreu, em 2011, alcançou um mandato, mas nas seguintes falhou a eleição de deputados.

A coligação PSD/CDS-PP venceu as eleições legislativas regionais da Madeira, mas falhou por um deputado a maioria absoluta, segundo dados oficiais provisórios.

Leia Também: PAN destaca aposta na inovação para dar oportunidades aos jovens

Recomendados para si

;
Campo obrigatório