Meteorologia

  • 01 FEVEREIRO 2023
Tempo
12º
MIN 5º MÁX 14º

Câmara de Caminha e professor universitário desistem de parecer jurídico

A Câmara de Caminha e o professor Rui Medeiros decidiram revogar o contrato para a elaboração de um parecer jurídico, no valor de 20 mil euros, relativo ao pavilhão multiúsos que a autarquia decidiu não construir, foi hoje divulgado.

Câmara de Caminha e professor universitário desistem de parecer jurídico

Em causa está um parecer jurídico, com um custo 19.950 euros (mais IVA), encomendado à Sérvulo & Associados, em que o professor da Universidade Católica e sócio daquela sociedade, iria analisar a legalidade do contrato-promessa de arrendamento para fins não habitacionais celebrado, em 2020, entre o ex-presidente daquela autarquia e ex-secretário de Estado Adjunto do primeiro-ministro, Miguel Alves, e a sociedade comercial por quotas Green Endogenous, de Ricardo Moutinho, para a construção do Centro de Exposições Transfronteiriço (CET).

"Decidiram ambas as partes que se irá proceder à revogação, por comum acordo, do contrato de prestação de serviço para emissão de parecer jurídico e sem que haja lugar ao pagamento de quaisquer quantias", lê-se numa nota da Câmara de Caminha, hoje enviada às redações.

No documento, a autarquia do distrito de Viana do Castelo, adiantou que o professor da Universidade Católica Portuguesa manifestou, na segunda-feira, "o seu desconforto em elaborar o parecer neste novo contexto".

O "novo contexto" invocado por Rui Medeiros prende-se com a decisão do executivo municipal, tomada por unanimidade no dia 16 de novembro, de resolução daquele contrato.

Além da revogação do contrato, o presidente da Câmara de Caminha, Rui Lajes, anunciou que iria "acionar os mecanismos legais para que a Câmara Municipal volte a ter em seu poder o dinheiro que foi adiantado a título das rendas do 25.º ano do contrato de aluguer do CET e de todos os demais procedimentos necessários".

"Embora esteja em causa uma resolução por incumprimento do contrato e não qualquer juízo sobre a sua invalidade, a verdade é que o sentido útil do parecer solicitado ao professor Rui Medeiros no caso concreto ficou em grande parte prejudicado", refere a nota hoje enviada pela autarquia.

Em abril de 2021, o município, então presidido pelo socialista Miguel, adiantou ao promotor uma verba de 369 mil euros para a concretização da obra, que nunca avançou, negócio que está a ser investigado pelo Ministério Público (MP).

Daquele montante, 300 mil euros serviram como adiantamento das rendas relativas ao 25.º ano do arrendamento e os 69 mil euros são relativos ao pagamento do IVA.

Apesar da revogação do parecer jurídico agora anunciada, a autarquia explicou que, anteriormente, quando Rui Medeiros mostrou disponibilidade em elaborar o parecer, "foi solicitado aos serviços da Câmara Municipal de Caminha o início do procedimento de contratação pública".

"Procedimento este que, de acordo com o regime consagrado no Código dos Contratos Públicos, obriga a cumprir uma série de formalidades, incluindo a decisão de contratar e o convite à apresentação de proposta, o prazo para pedir esclarecimentos, a apresentação da proposta, a análise da proposta e sua adjudicação, a fase da junção dos documentos de habilitação e, por fim, a aprovação da minuta do contrato e sua assinatura. Tudo isto a lei exige e tudo isto foi feito", esclarece.

Leia Também: Câmara de Caminha. Oposição acusa maioria de "brincar com erário público"

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sétimo ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório