Meteorologia

  • 05 DEZEMBRO 2022
Tempo
14º
MIN 12º MÁX 15º

Cientistas estudam novos planos de emergência para proteger populações

A "altamente complexa" missão de decidir quando e como retirar as pessoas em risco em caso de incêndio florestal, que "implica múltiplos fatores", está a ser estudada por cientistas da Universidade de Coimbra (UC), foi hoje anunciado.

Cientistas estudam novos planos de emergência para proteger populações

O projeto "Evacuar Floresta -- Decisões e Planos de Evacuação em Cenários de Incêndio Florestal", em curso na Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC), conta com a colaboração da Escola Nacional de Bombeiros (ENB) e do Centro de Inovação e Competências da Floresta (SERQ) e pretende "estudar novos planos de emergência para as comunidades, considerando os mais diversos cenários".

Citada em nota de imprensa enviada hoje à agência Lusa, Aldina Santiago, coordenadora do estudo e docente da FCTUC, explicou que o projeto tem como objetivo principal criar um sistema de apoio à tomada de decisão por parte das entidades competentes "para a proteção da comunidade em risco em caso de incêndio rural e ainda mitigar problemas no contexto de uma evacuação".

"Para os incêndios urbanos já existem planos de evacuação desenvolvidos, mas o mesmo não acontece nos incêndios florestais", enfatizou Aldina Santiago.

Atualmente, sustentou a investigadora da UC, aquilo que existe como suporte à tomada de decisão "é muito reduzido em termos técnicos e científicos e depende em muito da sensibilidade do comandante no teatro das operações".

"Muitas das vezes, esta escolha é criticada, ou porque é feita de forma muito antecipada ou porque é feita de forma tardia", argumentou Aldina Santiago.

Contando com cerca de 270 mil euros de financiamento da Fundação para a Ciência e a Tecnologia, o projeto visa "apoiar as entidades governamentais e locais na proteção das pessoas envolvidas, criando indicações específicas sobre a forma e mecanismos a utilizar para proteger e tornar mais resiliente cada uma das comunidades, face às suas particularidades e desenvolvimento do incêndio".

A proteção das pessoas de uma determinada comunidade tem de ser pensada e discutida muito antes dos incêndios; as possíveis soluções têm de estar acauteladas através de planos de emergência e evacuação; a evacuação parcial ou, em casos extremos, total, é uma dessas soluções, mas não é a única", defendeu Aldina Santiago.

A primeira fase do projeto -- iniciada no verão de 2021 e se estende até 2023 - foca-se "na caracterização e estudo do que já existe, no que respeita a estratégias associadas à proteção das pessoas em cenário de incêndio rural", não só em Portugal, mas também em Espanha, Itália, Grécia, Austrália e EUA (Califórnia).

A investigadora indicou que os cientistas observaram que "se antigamente a política era 'ficar em casa e esperar', atualmente começa a optar-se por evacuações preventivas".

"Portugal começa também a seguir esta estratégia, ou seja, nos últimos anos, a estratégia de proteção tem vindo a alterar, em resultado do paradigma dos incêndios atuais (incêndios de grandes proporções e que facilmente se propagam à interface urbano-florestal", acrescentou.

Por outro lado, a equipa de investigadores tem efetuado trabalho no terreno, junto de comunidades nos municípios da Lousã (Coimbra) e Sertã (Castelo Branco), escolhas que "não foram aleatórias, foram consideradas as suas especificidades", disse.

Dando o exemplo do concelho da Lousã, Aldina Santiago revelou que foram escolhidas as localidades de Cerdeira e Cabanões, esta uma aldeia "isolada, de difícil acesso, com uma população reduzida (menos de 25 pessoas), envelhecida e com algumas limitações de mobilidade".

A povoação, que dista sensivelmente um quilómetro (km) da Estrada Nacional 342 (via de ligação entre a Lousã e Góis, e de onde parte uma única rua que termina na aldeia), chegou a ser evacuada aquando dos incêndios de outubro de 2017.

Já Cerdeira, que faz parte da rede de Aldeias do Xisto e se localiza na Serra da Lousã, a cerca de 1,5 km da Estrada Nacional 236, de ligação a Castanheira de Pera e à sede do município, "é uma localidade com componente turística significativa, com uma população muito variável, tanto ao longo da semana, como ao longo do ano".

"É difícil saber quantas e onde as pessoas estão nesta localidade e na sua envolvente; esta incerteza é sem dúvida um dos fatores que dificulta a proteção destas pessoas em caso de incêndio", sublinhou Aldina Santiago.

Em paralelo, os cientistas estão a trabalhar em modelos "que permitem simular a propagação do incêndio e a evacuação das pessoas", recorrendo a métodos numéricos avançados

"Esperamos vir brevemente a simular os incêndios ocorridos nas últimas semanas em Portugal. Cruzando resultados, conseguimos estudar o impacto de possíveis soluções, possíveis alternativas para proteção", esclareceu Aldina Santiago.

A investigadora notou que os sistemas de modelação e simulação de evacuação "são ferramentas essenciais para planeamento e tomada de decisão".

"Durante a evacuação e o incêndio, o comportamento das pessoas também é um fator determinante (...) sendo a educação da população para esta temática igualmente determinante para o sucesso deste processo", frisou.

Leia Também: Covilhã e Condeixa-a-Nova são os fogos de maior dimensão em Portugal

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório