Meteorologia

  • 06 JULHO 2022
Tempo
29º
MIN 17º MÁX 31º

"Tão difícil Portugal recuperar Olivença como Ucrânia recuperar Crimeia"

António Filipe esclareceu que "não há qualquer possibilidade, do ponto de vista militar, de a Ucrânia recuperar a Crimeia".

"Tão difícil Portugal recuperar Olivença como Ucrânia recuperar Crimeia"

O ex-deputado do PCP, António Filipe, comentou, esta sexta-feira, no 'Expresso da Meia Noite', na SIC Notícias, a guerra na Ucrânia, onde defendeu que "tem que haver uma negociação, não há alternativa a isso" e explicou que "numa situação como esta, quanto mais tarde pior".

"É tão difícil Portugal recuperar Olivença aos espanhóis como a Ucrânia vir a recuperar a Crimeia", frisou o político, esclarecendo que essa hipótese "não está em cima da mesa", visto que "não há qualquer possibilidade, do ponto de vista militar, de a Ucrânia recuperar a Crimeia".

Para António Filipe, "o que está a acontecer no Donbass é um alargamento da esfera de influência russa da Crimeia para o Sul da Ucrânia, fazendo a ligação com os territórios do Donbass e as Repúblicas de  Lugansk e Donetsk".

A seu ver, "a queda de Mariupol é significativo da superioridade militar da Rússia, que era evidente". O ex-deputado frisou que "a partir do momento em que não se conseguiu evitar esta guerra, ninguém acreditaria que fosse possível uma vitória militar da Ucrânia, a menos que se pensasse que o objetivo da Rússia era conquistar Kyiv", acrescentando que "qualquer pessoa russa, com o mínimo de juízo, saberia à partida que esse era um objetivo irrealista".

Numa altura em que Moscovo mobiliza mais tropas para o Donbass, António Filipe argumentou que "se a União Europeia quiser continuar com o discurso de criar a ilusão Zelensky, de que é possível derrotar militarmente a Rússia e vencer militarmente esta guerra, estamos a criar ilusões e a conduzir muitos ucranianos, infelizmente, para a morte".

A guerra na Ucrânia, que hoje entrou no 93.º dia, causou já a fuga de mais de 14 milhões de pessoas de suas casas - mais de oito milhões de deslocados internos e mais de 6,6 milhões para os países vizinhos -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Também segundo as Nações Unidas, cerca de 15 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e a imposição à Rússia de sanções que atingem praticamente todos os setores, da banca ao desporto.

A ONU confirmou na quinta-feira que 3.974 civis morreram e 4.654 ficaram feridos, sublinhando que os números reais poderão ser muito superiores e só serão conhecidos quando houver acesso a cidades cercadas ou a zonas até agora sob intensos combates.

Leia Também: Guerra na Ucrânia. Eslováquia reduz dependência do gás russo

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório