Meteorologia

  • 19 AGOSTO 2022
Tempo
35º
MIN 21º MÁX 37º

"Desafio global" da Rússia estende-se ao continente africano

O primeiro-ministro advertiu hoje, em Bucareste, que o "desafio global" representado pela Rússia em termos de segurança coletiva coloca-se na fronteira leste europeia, mas também se estende ao próprio continente africano.

"Desafio global" da Rússia estende-se ao continente africano
Notícias ao Minuto

09:36 - 19/05/22 por Lusa

País Ucrânia

Esta posição de António Costa foi transmitida em conferência de imprensa conjunta com o seu homólogo romeno, Nicolae Ciucâ, após os dois países terem assinado um acordo de cooperação na área da Defesa.

Na resposta a uma questão colocada por uma jornalista romena sobre a presença militar portuguesa na Europa de Leste, António Costa sustentou que "Portugal tem um vasto compromisso com a NATO, com a União Europeia e com as Nações Unidas de utilização das forças nacionais destacadas em diferentes territórios".

"Designadamente com as Nações Unidas e União Europeia, temos missões em vários países africanos. E é muito importante não ignorar que o desafio global que a Rússia representa se coloca na fronteira europeia do flanco leste, mas também no continente africano", apontou.

Entre as missões militares em que Portugal participa no continente africano, a da República Centro Africana, que o primeiro-ministro visitou em dezembro passado, é considerada uma das mais problemáticas.

No caso da Europa, António Costa destacou as missões militares nacionais nos países bálticos e também na Roménia".

Na conferência de imprensa, os dois primeiros-ministros manifestaram apoio à adesão da Finlândia e da Suécia à NATO, mas o líder do executivo romeno falou também em defesa do desenvolvimento dos processos de adesão da Ucrânia, Geórgia e Moldávia à União Europeia.

Na questão da ameaça de veto da Turquia à entrada dos dois países escandinavos na NATO, os dois chefes de Governo responderam com prudência, acentuando a questão da vertente diplomática.

António Costa reiterou a tese de que se trata "de uma opção livre de dois Estados soberanos e que irão seguramente contribuir para o reforço da Aliança Atlântica".

"A adesão destes dois países é um sinal de uma das dimensões importantes da derrota estratégica que a Rússia está a sofrer. Quando pensou que enfraqueceria a União Europeia e dividiria a NATO, a verdade é que a União Europeia tem sabido demonstrar uma unidade reforçada e a NATO tem também apresentado um reforço", sustentou.

No que respeita às ameaças de veto à Suécia e Finlândia por parte do regime de Ancara, o primeiro-ministro português referiu que os Estados-membros da NATO têm todos de aprovar essas candidaturas.

"Seguramente encontrarão o espaço de diálogo diplomático adequado para ultrapassar as divergências ou dúvidas que existam. Tal como tem acontecido ao longo da História, a NATO sairá reforçada desses pedidos de adesão", acrescentou.

[Notícia atualizada às 10h10]

Leia Também: Costa visita hoje tropas na Roménia antes das etapas de Varsóvia e Kyiv

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório